Segunda, 23 de Outubro 2017: Aqui estão as principais notícias para você começar o dia bem-informado

18 de julho de 2011

EXCLUSIVO: MOISÉS BRAZ FALA AO BLOG MASSAPÊ INDO E VOLTANDO


Cúpula partidária do PT de Massapê, antes da reunião

Neste sábado, 16, o Presidente do Partido dos Trabalhadores-PT, Moisés Braz reuniu o diretório municipal no Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Massapê, a portas fechadas, para tratar de assuntos internos do partido e discutir a política de Massapê. Como foi uma reunião deliberada apenas para os militantes, não tivemos acesso aos assuntos debatidos, porém fui convidado para tirar algumas fotos. Na oportunidade, ficou acertado que as informações seriam repassadas ao blog Massapê Indo e Voltando, após o final do debate, em forma de entrevista. À noite, por volta das 19:30h, fomos recebidos na residência do Sr. Moisés Braz, onde ele nos concedeu a seguinte entrevista, a qual é exibida sem cortes e sem maquiagem. Ei-la na íntegra:

BLOG: Hoje pela manhã, sob seu comando, o diretório do PT reuniu-se para tratar de assuntos institucionais do partido ou para tratar da política  de Massapê?

MOISÉS: Aldênis, nós de fato, reunimos o diretório do Partido Trabalhadores, como você bem colocou, e na pauta da discussão tiveram dois assuntos com questões internas do partido. Como já é do seu conhecimento, o companheiro Ataíde não será mais candidato à reeleição e nós tivemos de fazer uma discussão mais interna sobre a sucessão do Ataíde, para saber qual será o candidato ou quais serão os candidatos apresentados na eleição do próximo ano. Tratamos,  também, do projeto e conjuntura política da eleição de 2012, aqui para o município de Massapê.

BLOG: Moisés, se o vereador Ataíde não for mesmo mais candidato a vereador, qual nome o partido indicará para sucedê-lo à uma vaga na Câmara Municipal de Massapê?

MOISÉS: Nós estamos discutindo a questão da eleição de 2012 participando de duas discussões. Está aí a discussão da reforma partidária e a gente não sabe se na reforma partidária vai permanecer esta questão das coligações proporcionais, se permanecer a questão das coligações proporcionais nós vamos fazer uma discussão de candidaturas, discutir nomes que possam suceder o companheiro Ataíde.  Se não tiver coligação proporcional,  a meta do  PT é unir todos os partidos de oposição aqui em Massapê, todos os partidos de esquerda para a gente sair com uma chapa tanto para majoritário, como para o proporcional. Se puder acontecer, nós temos que ter várias candidaturas, porque a gente precisa atingir o coeficiente eleitoral, e é fundamental ter várias candidaturas. Hoje, pelos menos, dois nomes foram muito fortes e debatidos na reunião do PT: o nome do companheiro Auteri, atual vice-presidente do partido, e o nome do companheiro Evilásio, do Ipaguassu-Mirim, embora tenham surgidos outros nomes. Nós chegamos a ventilar a possibilidade de até cinco nomes, mas estes dois citados foram os que tiveram mais questionamentos no debate ocorrido pelo diretório, e militantes presentes na reunião de hoje.

BLOG: Em 2010, a Betânia Andrade saiu candidata a deputada estadual  pelo PT, sem o apoio de uma ala petista. Na época, houve certo distanciamento político entre o grupo que você pertence. Na reunião de hoje, ficou alguma coisa decidida se a Betânia lançará seu(s) candidato(s) por uma ala e você por outra? Quais os motivos que a levaram a uma reaproximação de vocês? Por que ela rompeu, politicamente, com o deputado federal Eudes Xavier que não pertence à sua tendência política, ou será que ela vai apoiar, a partir de agora, o deputado federal José Guimarães?

MOISÉS: Na eleição passada, o PT terminou apoiando três candidatos a deputado estadual. A Betânia foi candidata com apoio e adesão de uns militantes do PT, alguns companheiros ligados mais diretamente a mim e que trabalham comigo em Fortaleza, apoiaram, aqui, o Camilo Santana, e outros companheiros apoiaram a candidatura do Zezinho Albuquerque. Passadas as eleições, eu chamei a Betânia para conversar e ela já tinha esse interesse. A gente dialogou muito, eu propus a ela uma discussão à nossa realidade de Massapê, esquecêssemos as divergências e às diferenças passadas da eleição de 2010 e que fossemos  preparar um cenário para 2012. Nesta conversa, a gente fez uma discussão muito profunda, fizemos uma avaliação do que a gente acertou, e que não acertou. De fato, a Betânia saiu da tendência ligada ao Eudes Xavier, da DS. Hoje, ela está com o pessoal que apoiou ela, dentro do PT de Massapê no campo majoritário ligado ao deputado federal Guimarães. Então, Aldênis, em hipótese alguma, tem divergência e não tem essa história de uma candidatura ligada à Betânia e candidatura ligada a Moisés. Tem uma candidatura ligada ao PT. Dessa forma, quero tratar de que não existe hoje dentro do PT, um grupo da Betânia e um grupo do Moises. Existe um grupo unificado, que é ligado ao comando, como você disse, do nosso coordenador maior que é o Guimarães. Está todo mundo no campo democrático, e a gente vai fortalecer cada vez mais o partido para as eleições no município de Massapê.  

BLOG: Corre à boca miúda na cidade, é assunto em blog de Massapê, inclusive esta informação nos foi dada pelo vice-presidente do PT local que o partido havia fechado acordo político com o ex-prefeito de Massapê, Jacques Albuquerque para as eleições de 2012. Na verdade, houve realmente esse acordo e quem participou desse encontro?

MOISÉS: É importante colocar para você duas coisas: primeiro, quero dizer que estive em Fortaleza com o deputado Zezinho Albuquerque, por sinal, é meu amigo, é um grande político, sempre vou a o gabinete dele, tem conversado com ele, por conta da relação com o governo. Você sabe da relação que eu particularmente, a Fetraece tem com o governo do estado, e o Zezinho tem sido, de fato, um grande companheiro. Eu tive há um mês uma conversa com o Zé, pautando,  sobretudo,  a sucessão no município de Massapê   para 2012. Também, em duas ocasiões, tive uma conversa com o grande líder político Jacques Albuquerque. Então, nas duas conversas, qual primeira questão que eu pautei: primeiro, a gente precisa está unificado aqui em Massapê. Segundo, é  uma ilusão alguém querer medir forças em Massapê, se a gente quer unir todas as forças de partidos para ganhar eleição, tem que está unificado. E na unificação dos partidos, todo mundo tem que, de fato,  ceder alguma coisa. E eu fui conversar tanto com o Zezinho, quanto com o Jacques para tratar dessas duas questões. Qual era a minha preocupação, como cidadão massapeense, mesmo trabalhando em Fortaleza? As duas conversas foram muito boas. Qual foi a diferença de uma para a outra?  O Zezinho disse que precisaria trabalhar com muito carinho essa questão,  por conta de todos os partidos que fazem a base da oposição e não poderia tratar de forma unificada, teria que tratar com calma esse questionamento para abril do próximo ano. Já na conversa que tive com o Jacques, ele queria que fosse determinado já agora, o candidato  a prefeito, vice-prefeito, compondo a chapa majoritária para 2012. Por tanto, as conversas foram muito boas com a preocupação com uma Massapê melhor, uma Massapê desenvolvida diferente de hoje. Ainda tratando desse assunto, na primeira conversa que eu tive com Jacques, ele tratou da possibilidade de sair do PSB e filiar-se ao partido dos Trabalhadores. Particularmente, eu pedi o Jacques para não sair do PSB. Se ele de fato quer ser candidato a prefeito em Massapê e tem potencialidade pra isso, eu entendo que no PSB é muito melhor. É o partido do governador, é o partido do irmão dele, é o partido que ele foi candidato em Massapê. E disse pra ele, que, para a gente articular política em Massapê, o fato dele está no PT, talvez até dificultasse mais do que ele está no PSB. Foi a conversa que tive com ele, pedi até um tempo para ele pensar melhor com relação esta situação, apesar de ter dito para ele e reafirmar aos leitores do seu blog, que seria uma honra muito grande de ter o Jacques Albuquerque filiado ao Partido dos Trabalhadores. A partir dessa discussão, o Jacques disse que ia pensar e depois de 15 dias, eu voltei a conversar com o mesmo e ele disse que ia sair do PSB, ia procurar outro partido para se filiar, ou que permanecesse no PSB. Mas, uma coisa ele deixou claro que seria, será candidato a prefeito em 2012.  Então, hoje na reunião do PT, eu tratei dessa situação, e nessa discussão todos foram unânimes, não houve nenhum voto contra, o Partido dos Trabalhadores definiu que a gente quer, primeiramente, a unidade de todos os partidos de esquerda de Massapê; segundo, sair todo mundo junto com um projeto político diferente; terceiro, um ponto que foi discutido, se de fato o Jacques, for candidato a prefeito de Massapê, o PT deverá homologar sua candidatura, determinado que apoiará Jácques Albuquerque a prefeito de Massapê. Houve uma discussão natural, entre os participantes, que o Jacques havia perdido algumas eleições, mas foi colocado que ele ainda é a maior liderança política de Massapê. Por tanto é verdade, você pode publicar no seu blog, que é o mais lido e visitado em Massapê, que o PT fechou questão e irá apoiar Jacques Albuquerque a prefeito de Massapê.

BLOG: É verdade que nesse acordo, o Jacques prometeu a vice ao Partido dos Trabalhadores?

MOISÉS: Olha Aldênis, o que a gente tratou com o Jacques foi de construção política. Eu não posso negar que o PT...eu tenho, o partido tem um sonho e nós almejamos a Prefeitura de Massapê. Na condição de presidente do partido, vou discutir isso profundamente. Nessa discussão, nós tivemos essa conversa com o Jacques e ele disse que precisava aprofundar a questão na união com os partidos para que a gente tivesse uma composição de muita força. “Eu não tenho nenhuma dúvida que o PT será um grande aliado”, palavra do Jacques. Disse para ele, se houver esta possibilidade, estaremos à disposição, e teremos bons nomes para indicar a vice na chapa majoritária encabeçada por Jacques Albuquerque, mas não se tratou de acordo, tratou-se de uma conversa política, onde ele se comprometeu a defender isso na conversa com os outros partidos.  Eu me comprometi de fazer a discussão interna no meu partido, já começar a discutir, se isso vier acontecer, qual será o nome do partido que será o candidato a vice na chapa com Jacques Albuquerque. Eu afirmo que a gente tem interesse com os outros partidos e esperamos a concretização oficial do nome de Jacques a prefeito e um nome do Partido dos Trabalhadores a vice-prefeito.

BLOG: Nos caminhos da política rumos às eleições de 2012, no caso do provável vice, qual seria o melhor nome, o seu ou da Betânia Andrade?

MOISÉS: Essa discussão não foi debatida na reunião de hoje com o partido dos trabalhadores. Eu acho que nós temos bons nomes, além dos colocados por você, não posso deixar de destacar o nome da Leomézia, que foi presidente do sindicato, o nome do próprio vereador Ataíde. Esse nome, Aldênis, a gente vai discutir ainda. Um destes nomes sairá na indicação, se vier se concretizar a candidatura de vice-prefeito. Esse debate será feito em outro momento. Não sei lhe afirmar se sou eu, ou se a Betânia. O certo é que entre esses quatro nomes, eu diria que sairá um nome para a chapa majoritária.

BLOG: “A política é dinâmica”, já dizia Gonzaga Mota. Não sendo o nome de Jacques Albuquerque candidato a prefeito de Massapê pela oposição, caso seja indicado outro nome, o PT continuará mantendo a indicação da vice?

MOISÉS: Aí vai mudar o cenário. Essa discussão que a gente tratou com o PSB, O Jacques é o presidente do PSB, acho que ele, ainda, não saiu do partido. Se não for o Jacques, se houver outra composição, nós vamos, de fato, aprofundar o debate. Pelo que eu conheço e pela discussão política, não quero aqui achar que se tiver qualquer outro nome, o PT não vai deixar de ser coadjuvante na discussão política de poder contribuir. Se não vier se concretizar a candidatura do Jacques, espero que qualquer outro debate o PT seja chamado a participar da discussão, até porque nós estamos tomando uma decisão política. Como nós estamos tomando uma decisão política de definir que nós vamos apoiar e fortalecer a candidatura de Jacques Albuquerque; eu imagino que se tiver outra candidatura, mesmo sendo desse bloco, da unidade dos partidos de esquerda, eu acho nesse processo, talvez, o PT seja chamado a construir porque nós não vamos ficar fora dessa discussão, até porque o PT é a 3ª força política do município de Massapê. Todo mundo sabe, é inquestionável! A última eleição para deputado afirma isso.
Nós estamos dispostos a entrar nesse debate, mas hoje eu reafirmo que a nossa discussão está em torno da candidatura de Jacques Albuquerque e o PT na chapa majoritária. 

BLOG: Como se sabe, já está sendo preparando todo esse cenário político rumo às eleições de 2012. Você é, e será parte dessa história. Como presidente do PT, presidente da Fetraece, com poderes nos segmentos sindicais, você tem pretensão de sair candidato a deputado estadual em 2014?

MOISÉS: Nós temos discutido nos últimos anos, a importância que tem o movimento sindical. Aldênis, é uma questão de grandeza. Nós temos,  hoje, no estado do Ceará, um milhão e duzentos mil trabalhadores filiados nos sindicatos. Dessa quantidade, contribuindo direto, nós temos hoje, algo em torno de seiscentos e trinta mil, aqueles que mantêm o movimento sindical, são coordenados com a gente e com todos os projetos sociais. Nas últimas eleições, nós, de fato, definimos apoiar a candidatura do Camilo Santana, do Nelson Martins a deputado Estadual e de outros segmentos sindicais, entre eles, a candidatura do Guimarães. Então essas coisas credenciaram a gente. Primeiro, o Camilo foi o deputado estadual mais votado, e nós sabemos da nossa participação, o Guimarães foi o segundo deputado federal mais votado no Ceará. Então, a Fetraece voltou avaliar e discutiu, que, para 2014, não dá mais par continuar votando em quem apóia. Nós vamos votar em quem é de dentro.

BLOG: No caso, você?

MOISÉS: Nesse processo, nós vamos trabalhar. Eu tenho clareza que a Fetraece terá uma candidatura para 2014, para deputado estadual. E, hoje, na discussão política rola meu nome. Se as eleições fossem, de fato, agora em 2012, não teria nenhuma dúvida que eu seria pré-candidato e seria o candidato a deputado em 2012, mas como não é, o foco nas eleições municipais do próximo ano, será o fortalecimento para se ter um pré-candidato e, em 2014, teremos um candidato do movimento sindical. Meu nome está à disposição dos companheiros do movimento sindical e, lógico, do pessoal do meu município. Se vier se concretizar, espero uma grande adesão do meu município e dos trabalhadores do estado do Ceará. Então, há uma possibilidade real, em 2014, a Federação indicar um candidato dentro do partido, já que a Federação não é um partido político, mas um nome dentro dos seus quadros que deverá ser indicado. Então, não tenho dúvida alguma, se as eleições fossem hoje, o nome que passaria era o meu. Espero em 2014, eu esteja no auge e seja o nome que passe também, para a gente poder rodar esse estado atrás do apoio dos trabalhadores.

BLOG: Para finalizar, retomando o assunto da sua conversa com o deputado José Albuquerque. Você se reuniu nesta semana com ele, ou  faz alguns dias que vocês trataram sobre o processo político do município de Massapê?

MOISÉS: Não, Aldênis, já faz um mês que estive no gabinete do Zezinho Albuquerque, em que tratei dessa questão com ele. Tive até conversando com ele, dia 13, por ocasião do Grito da Terra, que a gente precisava voltar a conversar sobre Massapê, porque a coisa estava se afunilando e assim por diante. Disse, inclusive, a ele que eu tinha conversado com o Jacques, e ele disse que não abriria mão ser candidato a prefeito de Massapê. Falei isso para o Zezinho e ele disse que compreendia a situação. Mas deixou claro que conversaria conosco para aprofundar mais essa discussão. Aldênis, eu digo a você, que,  para qualquer discussão nesse debate a gente tem que conversar e ouvir o Zé, porque ele é filho de Massapê, é uma grande liderança estadual, todo mundo sabe disso. É uma ilusão muito grande a gente querer para fazer uma disputa em Massapê, discutir o assunto político, sem ter ao lado a presença do deputado. Não pode acontecer, jamais, a gente está de um lado e o Zezinho do outro. Isso não existe! Sinceramente, eu não vejo essa possibilidade. Eu quero ser muito franco, quero discutir e aprofundar ao máximo o debate com ele, até porque o Jacques é irmão do Zezim. Eu sei que não posso deixar de falar dos grandes comentários em Massapê, de renovar a política com o nome do filho do Zezim, o Antonio José, por sinal é meu amigo, um grande rapaz. Porém o Jacques diz não abrir mão. Converso com o Zé por lealdade, por ser amigo dele e assim por diante. Finalmente, eu acho que aqui em Massapê não podemos tratar as coisas diferenciadas. Quero continuar conversando com ele, com o Jacques, o Antonio José e com todos os partidos. Confesso a você que tive outras conversas com algumas lideranças políticas como o Mazim, Dr. Estevão e outras pessoas para a gente poder está trabalhando com a realidade de Massapê, mas uma realidade que não seja aquela política arcaica existente no município de Massapê, e sim uma realidade de mudança e transformação. Foi nesse tom que seu deu a conversa com o Zezim, mais ou menos uns trinta dias que conversei com ele. 
Em tempo: observe que as respostas estão no estilo contextual de um só parágrafo, sem espaço de paragrafações, justamente por conta de espaço e clareza.
Auteri(vice-presidente do PT) ao lado de Moisés(presidente do PT e da Fetraece) durante a reunião do diretório

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

Um comentário:

  1. Aproveito esse espaço para manifestar meu apoio ao suposto candidato a deputado estadual Moisés, conheço seu trabalho a frente da fetraece alem da seriedade e autenticidade que ele transmite, assim sendo será um ótimo representante do povo tanto no meio rural como no meio urbano.

    Felicidade

    ResponderExcluir