Domingo,17 de dezembro 2017: Aqui estão as principais notícias para você começar o dia bem-informado

16 de agosto de 2014

EM RELAÇÃO À PESQUISA, LEIA A ANÁLISE POLÍTICA FEITA POR JORNALISTA DE O POVO

Pontos fracos de Tasso
Uma das fraquezas Tasso já começou a atacar em sua estratégia de campanha: o eleitorado jovem. Que era resistente a ele na época em que foi governador e, hoje, é composto por quem não viveu sua administração e, portanto, não o tem como referência. Tasso alcança 40% entre quem tem de 16 a 24 anos. Mauro tem 25%. Em situação normal, a diferença é boa. Mas a campanha está só começando e Tasso fica entre 57% e 60% em quase todas as outras faixas. 

Só volta a cair, embora em patamar maior, em outro setor que merece atenção: os mais velhos. O ex-senador tem 51% entre quem tem acima de 60 anos. Outra fraqueza velha conhecida de Tasso: o eleitorado mais escolarizado. Fica em 46% entre quem tem nível superior, contra 57% dos que têm nível fundamental. Em todos esses setores Mauro avança.

O que vale com ainda mais ênfase na faixa com renda entre cinco e 10 salários mínimos - grande parte da classe média. Nesse segmento, há o limite do empate técnico com Mauro: 36% do tucano contra 30% do candidato do Pros.

O papel da Capital
Outra dificuldade velha conhecida: Fortaleza. Nesse setor, Tasso cai, mas Mauro não avança. Fica abaixo da média estadual. Na Capital, pelo perfil do eleitorado, o fluxo de informações, pelo porte, as questões urbanas, a eleição é diferente de todo o resto do Estado. O próprio papel dos deputados e mesmo do prefeito - que influenciam grandes levas de eleitores nos demais municípios - é bastante relativizado e pulverizado. Já houve momentos em que o Tasso lançava candidatos que venciam eleições estaduais indo mal na Capital, mas em função da pífia presença adversária no Interior. Desta vez, os dois blocos têm presença forte no resto do Estado. Então, a presença em Fortaleza será determinante.

Tasso tem rejeição histórica e o governo Cid Gomes tem avaliação pior em Fortaleza. O índice de ótimo e bom é de 37%, empatado tecnicamente com o de regular (36%). E o ruim e péssimo tem seu percentual mais elevado no Estado: 23%. Na Região Metropolitana (incluindo Capital) a situação é um pouco melhor: 41% de ótimo e bom, 35% de regular e 19% de ruim e péssimo.

Tanto para governo quanto para o Senado, o fator Fortaleza será decisivo. Se alguém conseguir disparar na Capital, dificilmente perde no Estado. Nesse sentido, ganha peso o papel do prefeito Roberto Cláudio (Pros), bem como o do desgaste que venha a ter. Por enquanto, o eleitor da Capital e da Região Metropolitana se mostra mais propenso a votar nulo e dando mais peso aos candidatos dos dois menores blocos – sobretudo no caso do governo. A depender do desdobramento da campanha, de como for capitalizado esse sentimento e da habilidade dos candidatos de PSB e Psol, no caso de o cenário evoluir para um maior equilíbrio entre Eunício e Camilo, essa relativa rejeição em Fortaleza e Região metropolitana aos dois maiores blocos pode até levar a um segundo turno que, na primeira leitura, parece absolutamente improvável.

Comparações
Tasso está escaldado do resultado de 2010 e evidentemente não cantará vitória antes da hora. Até porque, curiosamente, os 35 pontos de vantagem sobre o segundo colocado são a mesma diferença que ele tinha no Datafolha antes do início da campanha de TV e rádio. Naquela época, era 59% do tucano a 24% - tanto de Eunício Oliveira (PMDB) quanto de José Pimentel (PT). Naquela ocasião, a situação de Tasso era ainda mais confortável por um fator: eram duas vagas. Não bastava um ultrapassá-lo para ele perder. Teria de ficar atrás de ambos. Agora, porém, há uma vantagem. Há quatro anos, a pesquisa Datafolha realizada antes do horário eleitoral foi feita em meados de julho. Agora quase, um mês depois, mais perto da campanha eletrônica começar. Ou seja, há menos tempo para avanço adversário.

Porém, vale para Tasso o que vale para Eunício: não se ganha eleição de véspera, muito menos antes do início do horário eleitoral, contra quem está no Governo Federal, no estadual e na Prefeitura de Fortaleza. Escrevi que essa se prenuncia a mais árdua disputa estadual na qual se envolvem os Ferreira Gomes. Falei isso sobre Camilo, mas vale ainda mais, para Mauro Filho.


Por outro lado, a pesquisa O POVO/Datafolha mostra pontos fracos de Tasso. Para projetar a continuidade da campanha, Eunício tem desempenho mais estável, enquanto o tucano tem fragilidades, algumas já históricas para ele.
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário