Quinta, 17 de Agosto 2017: Aqui estão as principais notícias para você começar o dia bem-informado

3 de setembro de 2013

1º COLÓQUIO INTERNACIONAL - PANTEÍSMO, PRINCÍPIOS FILOSÓFICOS


É com grande satisfação que convidamos todos para esse “1º Colóquio Internacional: Panteísmo, princípios filosóficos - Um Renascimento em Teologia Política - do 14 ao 17 de novembro 2013, Recife.

O termo panteísmo explicita uma proposição metafísica onde se reformulam as relações essenciais entre o Belo e a Natureza. Panteísmo (pan: tudo, & theos: deus) é a intuição metafísica de que a natureza é divina nos seus princípios e formas, no sentido mais amplo, incluindo todos os seres, em específico o ser humano, criatura autora de todos os conceitos.

A intuição é profunda, pois abre uma perspectiva filosófica bastante fecunda com repercussões culturais abrangentes. Implicando um fundamento renovador, esta intuição metafísica resulta na configuração de coordenadas metafísicas secundárias, desdobramentos psicossociais, políticos, econômicos, religiosos, entre outros.

O panteísmo revela ser bem mais de que uma forma religiosa; magnífica, a ideia resplandece e demanda uma reavaliação dos sistemas filosóficos e terapêuticos, uma reestruturação de todas as ciências e praxes operadas em busca de interações dignas, prósperas e pacíficas.

Trata-se de um pensamento que rompe um conceito fundamental da filosofia acadêmica: a ideia recursiva da ‘estraneidade do ‘Eu’’ – achar-se separado da ideia de Deus, do corpo, do mundo. Do ponto de vista panteísta, ser-humano é saber criar cidades e culturas fundamentado na consciência e ideia sublime de ser Cosmos, integrado ao corpo, ao mundo e justamente incluído nos atributos relativos ao conceito divino.

O reconhecimento da interseção plena da esfera existencial à esfera divinal esclarece e redimensiona a saudação típica de certas tradições: Namastê! Saúdo o divino em você! Uma saudação que justifica e sela um novo acordo nesse ‘eixo de perspectiva metafísica cosmo-existencial’: a compreensão de que a inteligência humana só será dignificada quando cada um dos nascidos, independente da sua posição evolutiva, filo ou etnia, seja considerado uma realização cósmica expressando a grandeza universa, ponto vetorial do Ethos, Logos e Mythos.

Junto à comissão diretora, acreditamos que o elenco de palestras, mesas redondas e apresentações que configuram esse 1º Colóquio Internacional: Panteísmo, Princípios filosóficos – um renascimento em teologiapolítica demonstrará alguns dos princípios e fundamentos dessa renovada edificação cultural.
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário