Quinta, 26 de Abril de 2018: Aqui estão as principais notícias para você começar o dia bem-informado

26 de abril de 2018

GOLPE QUE PROMETE BENEFÍCIO DO BOLSA FAMÍLIA TENTA ENGANAR 600 MIL

26/04 - Interessados em receber o benefício do programa Bolsa Família, do governo federal, estão na mira de hakers. 

O novo golpe, identificado pelo laboratório da PSafe, empresa especializada em cibercrime, já ameaçou 600 mil brasileiros, nas últimas 24 horas.  O objetivo do ataque é infectar smartphones e deixá-los vulneráveis a outros tipos de crime, inclusive com prejuízo financeiro. 

As vítimas receberam uma mensagem de WhatsApp induzindo-as a responder três perguntas se quisessem ganhar 954 reais. As questões eram: “você possui o cartão Bolsa Família?”, “você recebe todo mês?” e “você conhece amigos ou parentes que recebe?”. 

Uma forma fácil de saber que a mensagem era golpe é que o valor do Bolsa Família não é de 954 reais – esse é o valor do salário mínimo. O pagamento do Bolsa Família varia, podendo chegar a 372 reais por mês para famílias em situação de extrema pobreza que acumulam o benefício básico, o variável e o variável jovem.

Independentemente das respostas, a vítima era encaminhada para uma página que pedia o compartilhamento do falso benefício com dez amigos ou dez grupos no WhatsApp. Após o compartilhamento, o usuário era direcionado a outra página de cadastro para fazer download de aplicativos maliciosos.

“O número de pessoas que estão acessando esse golpe está aumentando nas últimas horas. Esse perfil de golpe utilizando a popularidade do WhatsApp tende a ganhar escala rapidamente”, afirma Emilio Simoni, diretor do dfndr lab.

Para evitar cair em falsas promoções, o especialista reforça a importância de as pessoas criarem o hábito de se certificarem sobre a veracidade de toda informação antes de compartilhá-la com seus contatos.
(MSN)

ANVISA PROÍBE EM TODO O BRASIL LOTE DE PEITO DE FRANGO QUE PODE CAUSAR MENINGITE

26/04 - Está proibida a comercialização de um lote de peito de frango em território nacional por decisão da Anvisa. De acordo com o portal Exame, o motivo é a presença de bactérias que podem causar meningite.

O lote que não poderá ser distribuído ou vendido é 0320, do peito de frango desfiado cozido, da empresa D+ Alimentos. A bactéria identificada é Listeria monocytogenes.

Dentre as doenças que ela pode causar está a meningite, que resulta em inflamação no cérebro e na medula espinhal.

Conforme a Anvisa, a própria empresa emitiu o comunicado de recolhimento. Todo o estoque no mercado será retirado.
Agência Brasil

PRAZO PARA ADESÃO AO PROGRAMA DE DÍVIDAS DO FUNRURAL TERMINA EM 30 DE ABRIL

26/04 - Os produtores rurais têm até 30 de abril para aderirem ao programa de parcelamento de dívidas com o Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural, conhecido como Funrural. Esse prazo, que inicialmente terminaria em 28 de fevereiro, foi prorrogado através de uma medida provisória (MP) e atendeu solicitação da Frente Parlamentar da Agropecuária.
Ceará Agora

HOMEM PERDE PARTES DO CORPO DEPOIS DE SER LAMBIDO PELO SEU CACHORRO

26/04 - Há um ano e meio, o britânico Jaco Nel brincava com seu cachorro Harvey, um cocker spaniel, quando notou um pequeno arranhão em sua mão.

Ele limpou e desinfetou o corte, e continuou com seus afazeres habituais. Duas semanas depois, ficou doente com o que parecia uma gripe.

Mas Nel não imaginava o que estava a ponto de acontecer: uma bactéria na saliva de seu cão provocou uma infecção que evoluiu para septicemia, uma reação exacerbada do sistema imunológico diante de um processo infeccioso.

septicemia é a principal causa de morte por infecção no mundo. Nel não morreu, mas diz que esteve “muito, muito perto“.

Como consequência de seu choque séptico, ele passou cinco dias em coma e meses no hospital. Perdeu as duas pernas, abaixo do joelho, e todos os dedos de uma mão. Além disso, teve o nariz e os lábios desfigurados, o que lhe causa dificuldade para falar e para comer.

O caso do britânico é muito extremo, mas ele é uma das 20 milhões de pessoas que sofrem de septicemia por ano em todo o mundo.

‘Senti depressão e raiva’
Nel não percebeu o quão doente estava porque, ao se sentir como se estivesse gripado, decidiu descansar e dormiu até o dia seguinte.

Eu devo ter ficado muito doente, porque me sentia confuso e desorientado. Nem escutei o telefone quando os colegas de trabalho me ligaram para saber por que não fui“, disse ao programa Victoria Derbyshire da BBC.

No fim do dia, minha mulher veio para casa e me encontrou em um estado terrível. Mas os serviços de emergência logo se deram conta de que eram sintomas de septicemia e começaram a me tratar com urgência assim que chegaram a minha casa.”

Fazer o diagnóstico cedo é a chave para a recuperação da septicemia: de acordo com vários estudos, 80% dos casos podem ser tratados com sucesso caso a infecção seja diagnosticada na primeira hora.
PragmatismoPolítico 

25 de abril de 2018

DECISÃO DO STF PODE SER O FIM DA “JUSTIÇA MONOLÍTICA”

25/04 - Os colunistas da direita, muito bem instalados nas redações dos grandes jornais, gritam que a decisão do STF de tirar do Açougue de Curitiba as delações da Odebrecht que não guardam relação com a Petrobras, transferindo-as ao seu foro natural, a Justiça de São Paulo (onde está a sede da empresa), diz que isso poderá ser a porta para o livramento de Lula das acusações em relação ao sítio de Atibaia e ao terreno do Instituto Lula que nunca foi do Instituto Lula.

E, ao mesmo tempo, menos que isso e mais que isso.

Menos que isso porque, embora a contrassenso, os processos não foram retirados da vara de Moro, embora devesse e, mais ainda agora, o devam ser, porque não há nos autos conexão evidente destes dois supostos casos com os desvios produzidos por alguns diretores da Petrobras na contratação de empreiteiras, o que é o fio de ligação que justificaria, juridicamente, que os processos corressem em Curitiba.

Não é demais repetir que o princípio do juiz natural é a garantia do Estado de Direito, porque impedie o que sobra na Lava Jato: enviar para um juízo onde se tem a certeza do resultado, para o bem ou para o mal, de qualquer acusação contra alguém.

Algo que está tão evidente que, na discussão sobre as prerrogativas de foro, é comum lermos que fulano ou beltrano vai “cair nas mãos de Sérgio Moro” ou que deseja “livrar-se de Sérgio Moro”. Não sabendo em mãos de que outro juiz cairá, é por conta do “medo” de um julgamento em que só por hipocrisia pode-se achar que não seja de cartas marcadas.

Infelizmente, a decisão do STF não vai ainda ao ponto de tirar os casos da jurisdição de Moro, embora abra, sim, o caminho evidente para isto, que ode acontecer junto ao próprio STF, se o negar o Superior Tribunal de Justiça, diante de um pedido de desaforamento da defesa.

Mas disse, também, que pode ser mais que isso, porque estabelece – ou restabelece – uma lógica processual que foi abandonada no caso do triplex do Guarujá: a de que não há, reconhecido pela própria sentença de Moro, vinculação entre a “atribuição” (seja lá o que for essa novel figura jurídica) do apartamento a Lula e os atos de corrupção na Petrobras.

Mesmo que o apartamento tivesse sido solicitado por Lula ou até recebido por ele, para haver competência do juízo de Moro sobre isso seria necessário o vínculo com a concessão de favores indevidos na Petrobras. E não há absolutamente nada que os vincule a não ser a vontade dos procuradores e do juiz de Curitiba e uma declaração vaga de um delator, preso, que diz que o dinheiro para a reforma do triplex teria vindo de uma “caixa geral” de propinas.

Essa é uma razão para aquilo que não se fez até hoje: garantir que as acusações contra Lula fossem examinadas num juízo, ao menos em tese, imparcial.
E não dirigidas, sob aplausos, para o Açougue de Moro, como vinham sendo, até agora, com Lula.
Por Fernando Brito - 25/04/2018

SUPERMERCADO DEVE INDENIZAR CLIENTE QUE FOI CHAMADO DE “SURDO” E “BICHA”

25/04 - A responsabilidade civil de supermercados por atos praticados por seus empregados é objetiva e somente pode ser afastada quando comprovada culpa exclusiva de terceiros. Com esse entendimento, a 9ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais condenou uma rede de supermercados a indenizar por danos morais um cliente que recebeu ofensas de uma funcionária. A informação é da assessoria de imprensa do TJMG.

O autor disse que o fato ocorreu em 2015: depois de esperar por mais de 60 minutos na fila, quando chegou sua vez, ele foi informado de que não poderia pagar as compras com cartão, pois aquele caixa somente processava pagamento em dinheiro.

O consumidor reclamou da falta de sinalização, mas a auxiliar de caixa respondeu que ele teria ingressado naquela fila “porque quis” e porque era “intrometido”. Já a funcionária do caixa ao lado disse que o homem, além de “cego e surdo”, era “bicha”.

Segundo o autor, as ofensas foram feitas em voz alta, para que outros consumidores e a mãe do cliente ouvissem. “O fornecedor que ofende e inferioriza o consumidor deferindo-lhe xingamentos acerca da sua opção sexual, em fila de supermercado onde estão presentes outros consumidores e a genitora do ofendido, caracteriza ofensa à honra subjetiva do consumidor, cumprindo ao Estado reprimir, com veemência, atos de preconceito, fixando indenização por danos morais em patamares razoáveis com a extensão dos danos configurados”, afirmou o relator, desembargador Luiz Artur Hilário.

Ele afirmou ser improcedente a afirmativa de que o boletim de ocorrência não era documento hábil a comprovar os fatos, especialmente considerando que o próprio gerente do supermercado registrou sua narrativa dos fatos na Polícia Militar. “Ademais, o boletim de ocorrência não é prova única dos fatos narrados, cujo teor ali descrito foi ratificado fielmente pelos depoimentos colhidos na instrução processual”, acrescentou.

Hilário disse ainda que a empresa não trouxe nos autos qualquer filmagem interna do estabelecimento que pudesse demonstrar a inexistência de tumulto ocorrido no dia. Ele e os demais membros do colegiado mantiveram a indenização estipulada pela primeira instância de R$ 30 mil. Na decisão, consideraram o valor suficiente para coibir a empresa de agir dessa forma novamente.

STF TIRA DO JUIZ SÉRGIO MORO MENÇÕES A LULA EM DELAÇÕES DA ODEBRECHT

25/04 - A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) impôs ontem uma derrota ao juiz federal Sérgio Moro, ao decidir retirar dele menções da delação da Odebrecht ao ex-presidente Lula que tratam do sítio de Atibaia (SP) e do Instituto Lula.

Os documentos serão encaminhados à Justiça Federal em São Paulo, por decisão da maioria formada pelos ministros Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski e Gilmar Mendes. Relator do caso, o ministro Edson Fachin e o decano Celso de Mello votaram para que as citações a Lula nas colaborações de oito delatores da Odebrecht continuassem com Moro.

A decisão pode levar a defesa do ex-presidente a contestar a competência de Moro para continuar no comando das investigações.

Em nota, os advogados do ex-presidente afirmaram que a decisão impõe a remessa das ações que tramitam na capital paranaense para São Paulo.

24 de abril de 2018

O MARTÍRIO DE LULA IMPULSIONA O PT

24/04 - O Globo e o Estadão como se as pessoas fossem bobas, dão destaque a uma frase protocolar de Lula, em sua carta ao Diretório do PT, para que o partido “fique à vontade” em relação a defesa de sua candidatura presidencial. Tão protocolar que, de imediato, os dirigentes petistas reafirmara que não há hipótese, neste momento, de apoiar outro candidato, embora, claro, isso possa acontecer à frente.

Na Folha, porém, a pesquisa do instituto ligado ao jornal mostra que, ao contrário, a perseguição a Lula está empurrando o partido de volta aos melhores níveis de popularidade que já teve. 20% dos entrevistados pelo Datafolha manifestam sua preferência pelo partido.

Os “comentaristas políticos”, bem antes, não são capazes de perceber a força que Lula está ganhando com sua estúpida e brutal transformação em mito. Em fevereiro de 2010, auge da popularidade do seu governo, eram 24% os simpatizantes do PT, para que se tenha ideia do que é, hoje, ter 20%.

É que o sentimento da população, para eles, fica em segundo plano diante do”marketing da novidade”, ignorando que o processo político tem uma natureza social e que, nele, “o mercado” só tem tanta interferência quanto tem aqui por conta dos próprios meios de comunicação.

O esforço da Folha para encobrir, apesar dos números, que é a perseguição a Lula que responde pela ascensão do PT, chega a dizer que “a partir de 2017, o PT voltou a crescer, talvez num reflexo da impopularidade do governo Michel Temer (MDB)”. Ora, é só olhar o gráfico e ver que, no pior momento para os petistas o “fora Temer” já era uma unanimidade no país pós-golpe.

O udenismo, no Brasil, sempre teve expressão na classe média e trovões moralistas na mídia. Claro que forma “ondas”, que acabam se desfazendo ao se chocarem com a realidade de exclusão e carência que pretende perpetuar.

E, para estes desafios, seu programa é, literalmente, nenhum, são o de deixar que “o mercado” governe a economia do país, para nos dar, sempre, mais do mesmo que nos oprime. 

Por Fernando Brito - 24/04/2018

NOVO SECRETÁRIO DA EDUCAÇÃO DO CEARÁ É DE SOBRAL

24/04 - O novo secretário da Educação do Ceará já está definido: é o sobralense Rogers Mendes. Ele ocupava o cargo de secretário-adjunto de Idilvan Alencar, que deixou a pasta para disputar cadeira de deputado federal pelo PDT.

Rogers Mendes é formado em Ciências Sociais/UVA, com Especialização em Educação Inclusiva e Mestrado em Gestão e Avaliação da Educação Pública na instituição de ensino Universidade Federal de Juiz de Fora (MG). Trabalhou também como Coordenador de Gestão Pedagógica na Coordenadoria de Desenvolvimento da Escola e da Aprendizagem da Secretaria da Educação do Ceará – SEDUC, onde também atuou como Coordenador de Avaliação e Acompanhamento da Educação.
Com essa nomeação, o governador não mexe no que está dando certo. Ou seja, mantém a política educacional que, de acordo com avaliações do MEC, tem obtido avanços.
(blog Eliomar de Lima)

MP PEDE ‘PRISÃO IMEDIATA’ DE AZEREDO, EX-PRESIDENTE DO PSDB

24/04 - O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJ-MG) julga nesta terça-feira, 24, recurso do ex-governador do Estado Eduardo Azeredo (PSDB) contra condenação de 20 anos e 1 mês de prisão imposta ao tucano por envolvimento no esquema do mensalão mineiro. Nesta segunda-feira, 23, em parecer, o Ministério Público de Minas Gerais reafirmou posicionamento pela manutenção da sentença e pela prisão imediata de Azeredo após esgotados todos os recursos no TJ mineiro. Azeredo poderá ser o primeiro preso da versão tucana do mensalão.

A apelação (embargos infringentes) a ser julgada nesta terça busca “a prevalência do voto que absolveu o apelante, a revisão da dosimetria das penas aplicadas para o patamar mínimo legal e a reconsideração da expedição de mandado de prisão após o esgotamento das vias recursais ordinárias”, segundo o Ministério Público. A condenação inicial de Azeredo no TJ-MG foi por 2 votos a 1.

O ex-governador foi condenado em segunda instância a 20 anos e 10 meses de prisão por peculato e lavagem de dinheiro em 23 de agosto de 2017. Em 21 de novembro, durante julgamento de embargos declaratórios, que foram negados, a pena foi reduzida para 20 anos e 1 mês. A sentença prevê o início do cumprimento da pena quando esgotados todos os recursos na Justiça de Minas. O julgamento dos embargos infringentes levam em conta diferenças nos votos dos desembargadores.
(Isto É)

PF FAZ BUSCAS NA CÂMARA E NO SENADO

24/04 - A Polícia Federal cumpre na manhã desta terça-feira mandado de busca e apreensão na Câmara dos Deputados e no Senado Federal contra parlamentares do PP. São alvos os deputados Eduardo da Fonte (PP-PE) e o senador Ciro Nogueira (PP-PI), presidente nacional do partido. Os mandados foram autorizados pelo ministro Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato.

Além do gabinete do parlamentar na Câmara, agentes da PF também foram ao apartamento funcional de Eduardo da Fonte. Ele é investigado por suposta prática de associação criminosa, juntamente com outros os parlamentares do PP: Aguinaldo Ribeiro, Arthur Lira, Benedito de Lira, Ciro Nogueira, José Otávio Germano, Luiz Fernando Faria e Nelson Meurer. Segundo a TV GloboNews, o ex-parlamentar Márcio Junqueira também é procurado pelos agentes, que tentam cumprir um mandado de prisão contra o ex-deputado de Roraima.

A operação foi deflagrada pela Polícia Federal em parceria com a Procuradoria-Geral da República. De acordo com denúncia do Ministério Público Federal feita em setembro de 2017, os parlamentares seriam integrantes do núcleo político de uma organização criminosa voltada ao cometimento de delitos contra a Câmara dos Deputados, entre outros, visando “a arrecadação de propina por meio da utilização de diversos órgãos públicos da administração pública direta e indireta”.

O deputado Eduardo da Fonte ainda está no Recife, informou sua assessoria de imprensa. 

Assessores do parlamentar disseram desconhecer detalhes da operação da PF. A previsão era de que Da Fonte chegasse a Brasília na tarde desta terça-feira. Procurado, o senador Ciro Nogueira não foi encontrado.
(Agências Estadão Conteúdo e Reuters)

23 de abril de 2018

PSDB EXPULSA PREFEITO ACUSADO DE ABUSO CONTRA MENINA DE 8 ANOS

23/04 - O diretório estadual do PSDB anunciou nesta segunda-feira a expulsão sumária do prefeito em exercício de Bariri (SP), Paulo Henrique Barros de Araújo, preso desde sábado acusado de abusar sexualmente de uma menina de oito anos. Presidente da Câmara Municipal, ele está interinamente no cargo desde 2017, quando o prefeito e vice eleitos no ano anterior tiveram as posses barradas pela Lei da Ficha Limpa.

Segundo a Polícia Militar, ele raptou a vítima e se dirigiu a uma área de mata, onde seu carro ficou preso em um buraco. A menina deixou o carro à pé e pediu socorro. Quando os agentes chegaram, ele tentava se esconder no meio do mato. “O partido se solidariza à família da vítima e espera que o caso seja esclarecido e o culpado severamente punido”, diz o PSDB em nota. A Justiça de São Paulo decretou a prisão preventiva (por tempo indeterminado) do prefeito Paulo Araújo.

A cidade de Bariri tem cerca de 35.000 habitantes e fica a 300 quilômetros da capital paulista. A investigação sobre o caso é conduzida pela Central de Polícia Judiciária, que fica na vizinha Bauru, também no interior do estado. Procurado por VEJA, o escritório de advocacia que representa Paulo Barros de Araújo não se manifestou até a publicação desta notícia.
Veja

MUDANÇAS NA REFORMA TRABALHISTA EXPIRAM HOJE, VEJA COMO FICA A LEI


23/04 - medida provisória (MP) 808 que alterou 17 artigos da reforma trabalhista (Lei 13.467) vai perder a força de lei hoje (23), 120 depois de ser apresentada pelo governo. Isso porque, nestes últimos 4 meses, o Congresso não conseguiu apreciar o texto enviado pelo governo. Agora, qualquer alteração na reforma trabalhista só poderar ser feita por meio de um projeto de lei - com uma tramitação bem mais lenta e imprevisível - ou por uma nova MP enviada pelo Executivo, o que, até a sexta-feira, estava descartado pelo Planalto. 

Com isso, voltam a valer as regras aprovadas pela Câmara dos Deputados em julho do ano passado. A MP 808 fo fruto de um acordo entre o governo e o Senado, para acelerar a vigência da reforma. A ideia era que os senadores desistissem de alterar o texto aprovado pelos deputados, evitando assim uma nova rodada de votação na Câmara.

As alterações propostas pelos senadores compunham o texto da MP. Este acordo, quando fechado, gerou resistências por parte dos deputados. Na época, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) chegou a declarar que não colocaria em pauta nenhum texto que alterasse aquele aprovado na Casa. 

 A situação é delicada e mais um fator de inegurança jurídica para a aplicação da reforma. Segundo o advogado trabalhista Marlos Lobo, a MP veio justamente para minimizar alguns pontos da reforma que foram objetos de polêmica. “O grande problema da não votação dessa medida provisória é que haveriá uma enorme insegurança jurídica para todos, um dos artigos da MP 808 é decisivo para a aplicação de toda a Lei 13.467”, avalia o advogado, referindo-se ao artigo 2º.

De acordo com ele, o artigo é responsável por definir que as regras estabelecidas pela reforma trabalhista se aplicam a todos os contratos vigentes, independentemente de quando foram firmados, estabelecendo assim a forma como a lei será aplicada em relação aos contratos já em curso. Para o advogado, se não houver essa base clara de aplicação, cada tribunal interpretará a reforma a sua maneira.

Segundo os especialistas consultados pelo CORREIO, três pontos polêmicos na lei da reforma trabalhista foram amenizados com a MP. O primeiro é a situação de gestantes e lactantes trabalhando em locais insalubres. A lei determina que a gestante deverá trabalhar em ambientes nestas condições que apresentem grau mínimo ou médio de insalubridade. A condição só não se aplicará se for apresentado um atestado médico que determine o seu afastamento. A MP preva que a gestante só trabalhará em ambientes insalubres quando um médico de sua confiança atestar esta possibilidade. 

Outro ponto bastante discutido foi o da jornada de 12 horas de trabalho por 36 horas de descanso. A MP determinava que esta modalidade só poderia ser implantada mediante a acordo coletivo, ou seja, com a participação do sindicato. No texto original, ue volta a valer agora, o acordo poderá ser selado diretamente entre empregado e patrão sem a intervenção de entidades de classe.

O terceiro ponto diz respeito aos contratos de trabalho intermitentes. Com a MP caducando, todos os contratos de trabalho vigentes, independentemente de quando foram firmados, ficarão sem definição explícita.

Desta forma, valerá a interpretação feita individualmente pelos tribunais até que o Tribunal Superior do Trabalho (TST) unifique o tema, o que poderá levar alguns anos.
correio24horas

SEM CANDIDATO CONSENSUAL, TASSO ENTRA COMO OPÇÃO DO PSDB À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

23/04 - O nome do senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) está na lista de opções do PSDB ao Palácio do Planalto, diante da crise enfrentada pela pre-candidatura do ex-governador Geraldo Alckmin.

As recentes denúncias, sobre possíveis irregularidades em suas administrações em São Paulo, expõem um Alckmin com imagem desgastada e que, na avaliação de tucanos, pode excluir o PSDB do segundo turno da eleição presidencial.

Uma das vozes em defesa da substituição de Alckmin é o prefeito de Manaus, Arthur Virgílio. Arthur defende o nome do senador Tasso Jereissati, como revela, neste domingo o jornalista Josias de Sousa, do Jornal Folha de São Paulo, para substituir Alckmin na corrida pelo Palácio do Planalto. “Tasso talvez não ganhe a eleição. Mas conduzirá a refundação do partido”, disse

Virgílio na noite do último sábado, 21. “E não está descartada a hipótese de o Tasso surpreender aos que esperam do PSDB um Alckmin comportadinho e derrotadinho”.

Em novembro do ano passado, quando ocupava a presidência do PSDB interinamente, Tasso falava em “refundar” o ninho. Foi destituído por Aécio Neves, então presidente licenciado do partido. Na sequência, Alckmin foi entronizado no comando partidário. Na última terça-feira, depois que Aécio virou réu no Supremo, Alckmin dedicou-se a chutar cachorro morto.

Declarou que ficou “evidente” que Aécio perdeu as condições de pedir votos em 2018, seja para que cargo for.

Para Virgílio, o eleitor já não distingue o PSDB do MDB, o que é muito ruim. Mas ele acha que há males que vêm para pior: “Se distinguisse seria muito pior para nós, por que o MDB nunca despertou a esperança que o PSDB inspirou um dia.” Nesse cenário, declarou o prefeito, o tucanato precisa admitir que o risco de derrota é real. De resto, defende a adoção de providências imediatas para reduzir os danos.

“Se a possibilidade de derrota existe, precisamos considerar a alternativa de perder com dignidade máxima. Por isso defendo que coloquemos o Tasso como candidato. Ele entraria na disputa sem nenhum contendioso judicial, com plenas condições de atacar duramente esse quadro de desmoralização que se instalou na política brasileira. Seria um candidato propositivo, com uma visão de Nordeste e de Norte. Como empresário, é respeitado no Sudeste, Sul e Centro-Oeste”, disse Vírgilio.

Com Alckmin, acrescenta Virgílio, “a derrota transformará o PSDB em linha auxiliar do próximo presidente, um partido que trocará a adesão por ministérios e diretorias financeiras”. Algo que “não dignifica um partido que nasceu de uma dissidência do MDB com o compromisso de ser uma opção capaz de catalisar o pensamento mais progressista do país, com uma alta taxa de dignidade”.

Na visão do prefeito, o discurso de Alckmin é aguado e evasivo. “O Geraldo revelou-se incapaz de dizer o que precisa ser dito. Está cuidadoso, medindo as palavras, usando luvas de pelica.
Preocupa-se com um eleitorado que não tem. Deveria falar francamente sobre a inevitável reforma da Previdência, sobre as necessárias privatizações.” No Datafolha mais recente, divulgado há uma semana, Alckmin amealhou 7% das intenções de voto no cenário mais provável, sem Lula.

“Perde votos em São Paulo e está atrás do Álvaro Dias na região Sul”, contabiliza Virgílio. “Ele não entra aqui no Norte, o que é grave. Não entra no Nordeste, o que é gravíssimo. Joaquim Barbosa (9% no Datafolha) já está na frente do Geraldo, mesmo sem ter assumido a candidatura”, lembra o atual prefeito de Manaus.

Após desistir de disputar com Alckmin uma prévia para a escolha do candidato do PSDB ao Planalto, Virgílio havia imposto a si mesmo o que chamou de “quarentena”. Não queria parecer “implicante”, ele afirma. “Mas não acho correto estender isso pela eternidade”, justifica-se, antes de esclarecer o que gostaria que Alckmin fizesse: “O certo memo seria o Geraldo fechar esse episódio com dignidade. Ele diria: ‘Não sou candidato à Presidência da República. Percebo que não é a minha vez. Vou marchar com o meu partido, apoiando o Tasso’”.
Uol Notícias

19 de abril de 2018

SANCIONADA LEI QUE AUMENTA PENA PARA MOTORISTA QUE DIRIGIR SOB EFEITO DE ÁLCOOL


19/04 - Foi publicada nesta quarta-feira (20) a lei que aumenta pena contra motorista que dirigir alcoolizado ou sob o efeito de qualquer outra substância psicoativa. A pena passa a ser de reclusão de 5 a 8 anos, além da suspensão ou proibição do direito de se obter a permissão ou a habilitação para dirigir veículo. A nova regra entra em vigor em 120 dias.

Antes, o tempo de detenção para quem dirigisse alcoolizado era de dois a quatro anos. A nova legislação também fixa que, se do crime de dirigir sob efeito dessas substâncias resultar lesão corporal de natureza grave ou gravíssima, o condutor terá como pena a reclusão de dois a cinco anos, além de outras possíveis sanções. No caso de ocorrer homicídio culposo, a legislação já previa o aumento de um terço da pena.

A diferença entre detenção e reclusão é um reforço punitivo contido no projeto sancionado hoje. No caso da detenção, as medidas são, em geral, cumpridas no regime aberto ou semiaberto. Já a reclusão é a mais severa entre as penas privativas de liberdade, pois é destinada a crimes dolosos – quando há intenção de matar.
Postagens mais antigas Página inicial