Domingo,17 de dezembro 2017: Aqui estão as principais notícias para você começar o dia bem-informado

10 de abril de 2012

CRÔNICA: UMA PARÁBOLA PASCAL


A crônica que se segue, “ PARÁBOLA PASCAL” foi enviada ao blog Massapê Indo e Voltando pelo colaborador especial Ferreirinha, na qual ele faz uma comparação do episódio envolvendo o resultado da “malhação de judas”, patrocinada pela Prefeitura Municipal de Massapê e organizada pela Secretaria de Cultura, Turismo, Juventude e Desportos.

CRÔNICA:
UMA PARÁBOLA PASCAL
No primeiro domingo de Páscoa, se enfrentaram numa arena esportiva improvisada, em campo neutro, Ceará e Fortaleza – tradicionalmente os maiores e melhores times de futebol do campeonato cearense. O duelo esportivo era de vida ou morte, ou seja, o vencedor seria declarado campeão da temporada 2012. Durante todo o espetáculo, a torcida que era majoritária, vibrava e aplaudia o time Alvinegro, que se preparou e se concentrou, treinando durante um mês, sob o comando do seu velho técnico. O elenco Alvinegro, bastante afinado e inspirado, naquela bela tarde distribuía dribles no forte adversário, que diga-se de passagem, também fez brilhante apresentação. E, com jogadas espetaculares, os craques do nosso time constantemente arrancavam aplausos dos espectadores. Mas nem todo time que joga bem, ganha a partida. Como paradigma, lembremo-nos da seleção brasileira na Copa do Mundo de 1982, que encantou o Brasil e o mundo com o nosso futebol arte, e no entanto, não conquistou tão almejado título, entregando a taça Jules Rimet, de mão beijada, para os italianos. Durante a acirrada partida, que teve até prorrogação, os jogadores do Vovô atuavam em conjunto na defesa, no meio de campo, nas laterais e no ataque, com grandes jogadas (banho de cuia, dribles entre as pernas, com gols de placa, de bicicleta e até gol olímpico), mas de nada adiantou. Que pena. Ao final da competição, o Ceará foi derrotado. Até aí, tudo bem. Perder também faz parte do jogo. Parabéns ao nosso respeitável adversário, o campeão Fortaleza, que teve sim senhor, os seus méritos. Eu disse perder, mas perder bonito, feio, jamais. Com um placar elástico de 16 gols de diferença, o nosso Ceará foi humilhado, chacoalhado e literalmente roubado por conta da péssima arbitragem, que deixou de marcar vários pênaltis ao nosso favor; que aplicou injustamente um leque de cartões amarelos e vermelhos; que não entendeu as mensagens sócio-educativas estampadas nas camisas de baixo dos nossos jogadores, pois ao comemorarem seus gols, extravasavam junto à sua torcida e recebiam duras punições; que fez vista grossa com chutes de bola no travessão que rebatiam dentro da linha do gol, sem falar nos erros grosseiros cometidos com gols não marcados diante do apito de linha de impedimento e que tanto contribuíram para o imoral resultado do placar final da partida. Nunca, nunca mesmo aconteceu na história do futebol cearense, dois times de alto nível competirem e, ao final um ganhar do outro com larga diferença de gols, repito, dezesseis. Até então, os placares eram miúdos: 1 X 0, 2 X1, 3 X 2... Agora, com uma mega goleada de 16 gols de diferença a favor da equipe adversária, só nos resta parar e refletir se realmente vale a pena participar dos campeonatos vindouros. Vai aí uma sugestão aos cartolas da Federação Cearense de Futebol, para que, nos próximos clássicos futebolísticos, escalem uma arbitragem imparcial (dentro e fora do campo), para não roubarem de forma descarada. Aos que se sentirem ofendidos que vistam a carapuça. A despeito dos interesses em choque, e de tantas contradições, é preciso dizer, a bem da verdade, que, com todos os méritos, o grande campeão foi o Fortaleza, que deu um show de bola. Parabéns!
Do Livro: Crônicas Alegres & Algo Mais – Autor Ferreirinha
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário