Sexta,15 de dezembro 2017: Aqui estão as principais notícias para você começar o dia bem-informado

31 de maio de 2017

INDIGNAÇÃO, REVOLTA E REPULSA



Um filho foi flagrado em uma série de vídeos agredindo de maneira covarde a sua própria mãe, uma idosa de 84 anos, com tapas e até com objeto, ele batia. Roberto Elísio Coutinho foi preso sexta-feira (26) por policiais civis da Delegacia do Idoso em São Luís (MA). 

Ele estava desaparecido desde a noite de quinta-feira (25) após a repercussão dos vídeos com as agressões nas redes sociais. Os vídeos foram gravados pela companheira do agressor que não teve o seu nome revelado. A idosa foi encaminhada ao Instituto Médico Legal (IML), onde realizou exames.


Depois da divulgação das imagens, o promotor de Justiça de Defesa do Idoso, José Augusto Cutrim, pediu a prisão preventiva do homem que é bacharel em direito. O promotor disse que além da prisão, o trabalho se desenvolve no sentido de dar suporte à vítima. “Solicitamos a prisão dele pelos crimes de lesão corporal e tortura, que estão previstos no Estatuto do Idoso. Além disso, encaminhamos um grupo de assistência social da promotoria para levantar toda situação da senhora. Saber quais danos foram causados a ela diante de tudo isso, se ela pode ficar com outros parentes ou terá que ser encaminhada a uma casa de abrigo. Tudo isso está sendo levantado”, disse.

30 de maio de 2017

PREFEITO DE MERUOCA INDICA DOBRADINHA ÀS ELEIÇÕES DO PRÓXIMO ANO

O que parecia ainda provável em relação à chapa que deverá fazer dobradinha às eleições de 2018, no vizinho município de Meruoca, ja não é mais dúvida. O prefeito daquela cidade serrana, Francisco Antonio  Fonteles (PP), que voltou à Prefeitura nas eleições passadas, fechou a chapa com o ex-prefeito de Massapê, Antonio José Albuquerque (PP), pré-candidato a deputado federal e Sérgio Aguiar (PDT), a deputado estadual.


Nas eleições de 2014, o então pré-candidato a prefeito fechou acordo para votar no atual presidente da Assembleia, Zezinho Albuquerque que, por sua vez o apoiou para prefeito de Meruoca nas eleições passadas, cujo atual gestor foi eleito com 4.047 votos, desbancando sua principal rival, dona Nenê, com apenas 2.685 sufrágios.

ZEZINHO ALBUQUERQUE PARTICIPA DOS FESTEJOS DE EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DE PIRES FERREIRA

A comemoração dos 30 anos de Pires Ferreira, ocorrida no último domingo (28/5), contou com a presença maciça de moradores da região e de lideranças políticas.

O presidente da Assembleia Legislativa do Ceará, deputado Zezinho Albuquerque (PDT) prestigiou a festa, que foi comandada pela prefeita Marfisa Aguiar (PDT).


O deputado federal Leônidas Cristino e o deputado estadual Ferreira Aragão e os prefeitos Carleone Júnior (Frecheirinha); Alex Melo (Pacujá); Osvaldo Neto (Reriutaba); Célia Rodrigues (Varjota); Sérgio Rufino (Ipu), além de vereadores e lideranças políticas da Região compareceram as festividades do município que fecharam com os shows de Aviões do Forró e Avine Vinny.
Via Roberto Moreira

29 de maio de 2017

VEREADOR AUTERI MOURA PODE SER EXPULSO DO PT E ATÉ PERDER O MANDATO

Vereador eleito desobedeceu o PT em votação de projeto na CMM, e descumpriu orientação do líder da bancada

O vereador eleito Auteri Moura pode ser expulso do Partido dos Trabalhadores (PT) e até perder o mandato se for constatado de fato que o edil tenha traído o candidato oposicionista, Luiz Carlos Carneiro Frota, indicado à presidência da Câmara de Massapê, em eleição realizada 1º de janeiro deste ano. Foi o que afirmou o deputado estadual Moisés Braz Ricardo (PT) em entrevista concedida à Radio Marques FM, aqui do município de Massapê.

O parlamentar cearense, filho de Massapê, disse que o comportamento de Auteri Moura é considerado desobediência partidária ao ter votado em projeto contra a orientação do partido e da liderança da oposição na Câmara Municipal desta comuna. “Não houve autorização para que ele votasse em projeto que não tivesse o apoio do partido e muito menos do líder da bancada oposição", disse.  

Ao referir-se à eleição para a escolha da Mesa Diretora ao biênio 2017-2018, às indagações feitas pelos radialistas Cleyton Arruda e Mauro Luiz, Moisés Braz disse “que se tiverem provas que o vereador tenha votado no atual presidente, é bem forte a possibilidade de ser expulso e perder o mandato. Sobre a situação de ter votado em projeto de autoria do atual prefeito, acontecerá uma reunião do partido em que ele, [Auteri Moura] vai ser convocado a participar e aí a maioria do diretório vai ter sua posição definida", enfatizou o deputado petista.

Nas eleições municipais passadas, em Massapê, a oposição elegeu 7 (sete) vereadores ligados ao grupo de Zezinho Albuquerque e Antonio José, e também Moisés Braz; enquanto a situação elegeu apenas 6 (seis). Diante da dubiedade do edil petista, o líder da bancada de oposição, vereador Carlos Michel Tomaz (PP), aliado aos seus pares, achou por bem expulsá-lo da base de oposição.

Essa decisão foi tomada na antepenúltima reunião na Câmara realizada dia 17 de maio, à sessão final do mês, que acontecerá dia 31 de maio.

Nas redes sociais e em conversas nos bastidores da política, o vereador Auteri Moura tem sido criticado por populares, eleitores e alguns colegas do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Massapê, por não ter seguido a orientação do líder da bancada de oposição e, ainda, rejeitado determinação do diretório local.

Por isso, pode pagar caro. Quando um político é eleito e acaba migrando para a base de oposição ou situação, votando contrária à doutrina do partido, praticando atos incongruentes à tendência da sua bancada e à sigla partidária, a infidelidade não é registrada apenas em relação ao partido pelo qual foi eleito, mas, principalmente, com o povo.

É também visível flagrante desrespeito à vontade soberana das urnas que colocaram Auteri Moura na oposição, lugar que deveria permanecer do começo ao fim, independente de que pudesse acontecer.

Diante de tudo publicado nesta matéria, acompanhe breve análise crítica da jurisprudência do Tribunal Superior Eleitoral sobre Fidelidade partidária.

“A expulsão como causa de pedir a perda de mandato eletivo por infidelidade partidária, o partido político tem a prerrogativa de expulsar um filiado em hipóteses específicas tipificadas no Estatuto, por meio da abertura de processo que deve obedecer aos princípios do devido processo legal, da defesa e do contraditório.


Essa expulsão geralmente o corre quando se trata de fato, como, por exemplo, quando se verifica que o mandatário não mais representa a ideologia da agremiação, o desrespeita às orientações do partido, quando pratica insubordinações ao que é estabelecido pelo partido como diretrizes importantes do mandato, ou pelo descumprimento de princípio essencial do programa e estatuto partidários [...]". 

COM DISCURSOS CONTUNDENTES, PDT REALIZA QUARTO ENCONTRO NO MUNICÍPIO DE ITAREMA

O PDT do Ceará realizou neste sábado, 27, mais um encontro regional em Itarema. Foi a quarta de uma série de reuniões realizados pelo partido, que reuniu lideranças das cidades da região do litoral oeste e Vale do Curu.

Destaques para as presenças do presidente da Assembleia do Estado do Ceará, Zezinho Albuquerque, filho de Massapê; ex-governador Cid Gomes, presidente estadual da sigla e deputado federal, André Figueire; Secretário de Trabalho e Desenvolvimento Social Josbertini Clementino; do Prefeito anfitrião de Itarema, Elizeu Monteiro; além de deputados federais e estaduais, prefeitos e vice-prefeitos, vereadores e outras lideranças políticas da região.

Zezinho Albuquerque(PDT) fez um discurso bem contundente em defesa da união das forças políticas do partido, e disse acreditar que o Ceará deve seguir em frente, sem perder suas conquistas.

O ex-governador Cid Gomes marcou presença e resolveu assumir de vez que é candidato ao Senado e disse em seu discurso que o “Congresso Nacional precisa de políticos honestos e que trabalhem pelo povo”. 

Quem também prestigiou o encontro pedetista foi o ex-prefeito de Massapê Antonio José Albuquerque (PP), pre-candidato a deputado federal, nome certo a ser escolhido em convenção, a representar os cearenses na Câmara alta do País, que foi fotografado ao lado do pai e do ex-deputado estadual, Rogério Aguiar.

Cid Gomes aproveitou o encontro e se defendeu das acusações em que o envolve seu nome da delação da JBS e falou de sua índole.  “Temos a consciência de quem escolhe essa vida pública vai sofrer ameaças, tentação e calúnias, eu sempre fui transparente e isso é a melhor defesa para isso. Eu nunca recebi 1 centavo da JBS, ajuda de campanha é diferente, é legal! Sou digno, sério e honrado, tudo o que espero da vida pública é ser lembrado pela luta a favor do Ceará e do cearense e de minha seriedade e honestidade. E isso tudo me motivou muito para voltar a ser candidato em 2018. Não vou deixar um ladrão assumir meu lugar! A verdade prevalecerá!”

27 de maio de 2017

SE RENUNCIAR, TEMER CORRE RISCO DE SER PRESO

A situação de Michel Temer (PMDB) é insustentável e não parece haver tempo para esperar nenhum dos procedimentos processuais que podem levar a sua destituição. Impeachment, cassação da chapa no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), tudo levaria mais tempo do que o País suportaria mergulhado numa crise desse tamanho. Há uma emergência nacional instaurada.

No meio político, ninguém acredita na sobrevivência de Temer no poder. Aliados próximos já discutem sua sucessão. A renúncia seria a opção mais rápida, mais simples, mais indolor. Porém, há aspectos que a tornam menos provável.

Como presidente, Temer tem prerrogativas especialíssimas. Nos crimes comuns, responde perante o Supremo Tribunal Federal (STF), conforme o artigo 102 da
 Constituição. Porém, nos crimes de responsabilidade, presidente da República só responde perante o Senado, mediante autorização da Câmara dos Deputados. É o que determina o artigo 52. Nem o Supremo, portanto, tem prerrogativa de julgar Temer por crimes como corrupção ou obstrução da Justiça. Dependeria do Congresso Nacional, onde o processo é político.

Na hipótese de Temer renunciar, é enorme a possibilidade de ele ir para a cadeia. Conforme os relatos disponíveis, há provas cabais contra ele, por crimes gravíssimos. Sem proteção do foro, com caso remetido à primeira instância, o ainda presidente teria enormes possibilidades de ir preso.


Mais que o cargo, e o poder que já escorre pelos dedos, a Presidência hoje representa para Temer o anteparo contra a Justiça. Por isso é difícil que renuncie, embora a pressão para isso seja gigantesca.

CIRO É CONTRA A ELEIÇÃO DIRETA PARA A SUBSTITUIÇÃO DE TEMER

Para Ciro Gomes (PDT), a crise política nacional está recriando o "bastidor", espaço importante para a busca de solução para os graves problemas, como os de agora. Ele não esconde sua posição contrária a eleição direta antes de 2018, senão no caso de antecipação para renovação de todos os mandatos previstos para terminarem em dezembro do próximo ano, improvável de ser aceita pelas diversas agremiações partidárias.

Certo da queda do presidente Michel Temer (PMDB), ele admite que nomes como o de Tasso Jereissati (PSDB), Nelson Jobim (PMDB), e do próprio Fernando Henrique Cardoso (PSDB), que não representam a "vulgaridade" que são os vários outros citados, bem poderiam conduzir o País para uma eleição tranquila no ano seguinte.

Uma eleição direta, agora, além de exigir uma alteração na Constituição, ainda demandaria muito tempo para o eleito tomar posse, deixando tudo como está e precisa ser corrigido logo. A Constituição emendada exigiria do TSE a preparação da eleição com a definição de prazo para a campanha eleitoral, significando dizer que antes do fim do ano não teríamos um novo presidente que, empossado, seis meses depois estaria diante de uma nova disputa. Sem falar que, até a posse do novo eleito para concluir o atual mandato, Temer é quem permaneceria no cargo.

RESIDE
Os brasileiros amargarão uma outra grande frustração, neste semestre, se o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) não concluir o julgamento do processo de Abuso de Poder, com possibilidades de cassação dos diplomas conferidos a Dilma Rousseff, já fora da presidência da República, e a Michel Temer, à época o seu vice e hoje o chefe da Nação.

Na Justiça Eleitoral reside a última esperança de defenestrarem Michel Temer, posto serem muito remotas as chances de efetivação de um novo Impeachment, como aconteceu com Dilma. E se isso, imperiosamente, tivesse de acontecer, o tempo de duração do processo machucaria mais ainda toda essa sofrida população.

Sem a cassação do diploma de vice-presidente, que lhe garantiu a ascensão à Presidência da República, só a renúncia imediata amenizaria a crise. E ele não renuncia sem ter garantias como as dadas aos delatores da JBS, ou seja, uma anistia, o indulto já comentado entre políticos, embora a grita possa vir a fazer tremer alguns segmentos, irresignados com os malfeitos denunciados, portanto sem a disposição de perdoar, mesmo sendo necessário ceder para estancar a continuidade do crime que deixa a Nação sangrando.

MULHER DO HOMEM JBS PASSA POR "MOMENTOS DIFÍCEIS"

Depois de ser muito criticada e atacada nas redes sociais, a mulher de Joesley, dono da JBS, Ticiana Villa Boas, decidiu se afastar da internet. Para comunicar de sua decisão, a apresentadora postou uma mensagem em seu perfil no Facebook nesta sexta-feira, dirigida aos fãs, seguidores e amigos, dizendo que vai se afastar da internet.

“Eu e minha familia estamos passando por momentos difíceis. Não estou forte nem preparada ainda para falar do assunto. Vou passar um período fora das redes sociais para nos resguardar. Espero que entendam. Um beijo com carinho.” – postou Ticiana no face.

Muitos internautas criticaram fortemente a postagem e ironizaram o fato de Ticiana dizer que está sofrendo, quando anteriormente fez outras divulgações, esbanjando fartura e divulgando as festas de seu casamento milionário. Mesmo assim, outros lhe desejaram força nesse momento difícil.

25 de maio de 2017

PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA INDEFERE PEDIDO DE IMPEACHMENT DE CAMILO

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Zezinho Albuquerque (PDT), rejeitou, durante a abertura da sessão desta quinta-feira (25), o pedido impeachment do governador Camilo Santana (PT) protocolado pelo deputado Capitão Wagner (PR).

Segundo Zezinho Albuquerque, a decisão segue parecer jurídico elaborado pela Procuradoria da Casa. Na avaliação, a denúncia não deveria ser recebida em “face de carência de justa causa” para iniciar um processo de impeachment.

O pedido de impeachment foi protocolado nesta terça-feira (23) pelo deputado, baseado na delação da JBS que apontou que o ex-governador Cid Gomes recebeu R$ 20 milhões em propina, por meio dos atuais secretários Arialdo Pinho e Antônio Balhmann para financiar a campanha do então candidato Camilo. Capitão Wagner exigia a demissão dos secretários citados pelos empresários.

Na ocasião, Camilo avaliou o pedido de impeachment como uma ação de “oportunismo”. "Essa ação tem o objetivo claro de se aproveitar do momento instável vivido pelo país para tentar tirar vantagem política. Isso é oportunismo puro, e não vou entrar nesse jogo", disse o governador.


Após a decisão de Zezinho, Capitão Wagner encaminhou novo documento pedindo para o presidente rever a posição. 

TEMER É REJEITADO POR 95% DOS BRASILEIROS E 99% DOS NORDESTINOS

Os índices de aprovação de Michel Temer, que sempre foram baixos, chegaram ao fundo do poço; pesquisas e sondagens feitas pelo governo federal na internet mostram que a maioria dos brasileiros rejeita o peemedebista; os levantamentos indicam que a situação de Temer nas redes piora a cada dia; os antigos defensores do governo entre os chamados formadores de opinião sumiram, salvo raras exceções; pesquisas de opinião mostram que hoje 95% dos brasileiros fazem uma avaliação negativa de Temer; em algumas regiões metropolitanas do Nordeste do país, segundo outras sondagens, esse índice chega a 99%; a maioria também crê que o governo não sobreviverá à avalanche provocada pela delação da JBS.

OAB PEDE IMPEACHMENT DE TEMER POR OMISSÃO E QUEBRA DE DECORO

Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) protocolou pedido de abertura de processo de impeachment contra o presidente Michel Temer por entender que ele se omitiu diante de crimes relatados pelo empresário Joesley Batista numa conversa que tivera e que quebrou o decoro do cargo ao reunir-se com um investigado tarde da noite e fora da agenda; pedido foi assinado por 25 das 27 seccionais da entidade; "Ao se omitir de prestar informações, as quais chegaram a seu conhecimento pelo cargo que exercia, o excelentíssimo senhor presidente da República Federativa do Brasil teria incidido em ato ilegal, vez que, como servidor público, exigi-se-lhe conduta condizente com os princípios que regem a administração", diz a OAB.
Brasil 247

GRENDENE PROMOVE REUNIÃO COM REPRESENTANTES DAS FORÇAS DE SEGURANÇA DO MUNICÍPIO DE SOBRAL

Devido aos altos índices de furtos próximo à Grendene, além de funcionários estarem sendo roubados nos transportes da região, na tarde desta quinta-feira (25/03), a representação local da Grendene Sobral, liderada pelo diretor industrial Nelson Rossi, o Gerente de RH, André Pinto, e o Coordenador de RH, Gilceu Ribeiro, esteve reunida com representantes das forças de segurança estabelecidas no município: Secretaria de Cidadania e Segurança, Comando da Polícia Militar e Delegados da Policia Civil.

Participaram do encontro, que aconteceu na Grendene, o Tenente Coronel Francisco Assis Azevedo de Souza, Comandante do 3º Batalhão da Polícia Militar; Tenente Francisco das Chagas Alves Filho, Comandante da 1ª Companhia do 3º Batalhão; Tenente Rafael Martins Rosendo, Relações Públicas do 3° Batalhão da Polícia Militar - os três representando o Comando da Polícia Militar; Delegado Alex Bruno Pinto Mattos e Delegado Márcio Lopes da Silva, representando a Delegacia de Polícia Civil do Município de Sobral; Adriano Fernandes, Comandante da Guarda Municipal de Sobral e Julif Guedes, Coordenador de Trânsito de Sobral, representando a Secretaria de Segurança do Município de Sobral.

O objetivo da reunião foi discutir com os representantes das entidades ações para combater a insegurança e a violência cada vez mais presentes em nosso município.

Nesta reunião, foi estabelecido um plano de atividades onde cada uma das entidades participantes, e a Grendene também, responsabilizaram-se por colocar em prática uma série de ações visando a segurança da comunidade.
Fonte: Sobral em Revista

22 de maio de 2017

CARTA AO PRESIDENTE MICHEL TEMER, JORNAL DO BRASIL

“Senhor Presidente Michel Temer, o Jornal do Brasil há três dias pede a intervenção no grupo JBS por uma só razão: se foi com dinheiro do povo que a empresa adquiriu esse patrimônio e esse dinheiro vinha do BNDES, o patrimônio então não é dela. Por que, até agora, não houve uma intervenção no patrimônio físico e jurídico da JBS?

Senhor Presidente, se, como o senhor defende, Joesley Batista era um conhecido fanfarrão e um presidente não deveria receber um fanfarrão, por que autorizar o passaporte para o empresário sair do país e não comunicar o fato ao Ministro da Justiça, mesmo depois da conversa entre o senhor e o dono da JBS?

Senhor Presidente, se está identificado o rombo que o delinquente deu ao país, por que o Brasil não pede à Interpol sua prisão e sua devolução ao Brasil?

Senhor Presidente, se nós sabemos de tudo isso, dos deslizes do delinquente no BNDES, por que o banco não suspende e liquida seu crédito, executando sua dívida e tomando seu patrimônio?

Senhor Presidente, Joesley ter elogiado o Ministro da Fazenda sabendo da posterior divulgação do áudio não é uma crítica ao Ministro da Fazenda, é uma farsa como declaração. Não é normal que um conhecido fanfarrão possa ter em sua empresa funcionários que não têm identificado o tempo que trabalhou e que este nunca alertou ao país, nem ao governo, nem ao senhor. 

Senhor Presidente, Joesley só disse que a declaração sobre a compra juízes não era verdade depois de ter dito ao senhor que ele subornava juízes e procuradores. Por que, então, não se tomou imediatamente medidas contra esse delinquente? 

Senhor Presidente, nós torcemos pelo Brasil, nós todos queremos o Brasil para nossos filhos e nossos netos, mas temos que dar prioridade aos pobres. Não é só Joesley quem pratica a delinquência contra o país. E a Odebrecht, a Andrade Gutierrez, a Camargo Correa e todas aquelas e aqueles que fizeram o Brasil entrar nessa crise, a maior da história do Brasil? Eles são diferentes de Joesley? Aquele que levou dinheiro para Yunes pode ainda estar solto?

Senhor Presidente, não é a crise que é séria, o que é sério é a pobreza, e a pobreza é assistir todo dia a um novo delinquente ficar mais rico, com financiamentos do BNDES. Tudo isso é o sangue do trabalhador brasileiro sendo sugado. 


Não devemos esperar que essa reação parta do povo, pois se esperarmos que ela venha do povo, não seremos nós que seremos os juízes”.

20 de maio de 2017

APÓS REVELAÇÃO DO DONO DA JBS, CID GOMES EMITE NOTA E GOVERNADOR CAMILO SANTANA O DEFENDE

Em referência à delação do dono da JBS, em que cita Cid Gomes, o ex-governador do Ceará afirmou que repudia "referências em delação que atribuem a mim o recebimento de dinheiro. Nunca recebi um centavo da JBS. Todo o meu patrimônio, depois de 34 anos trabalhando, é de 782 mil (IRRF 2016), tendo sido duas vezes deputado, duas vezes prefeito e duas vezes governador". afirmou o ex-governador em nota.
Enquanto o governador do Ceará, Camilo Santana, ao falar sobre o tema, disse: "As informações que tenho sobre esse assunto, são as veiculadas pela imprensa. O que posso afirmar de forma categórica é que  ex-governador Cid trata-se de um homem sério, honrado e que não compactua com coisas erradas. Sobre as doações realizadas na campanha eleitoral, as informações que tenho são de que foram feitas de forma absolutamente correta e dentro da lei. Tanto que todas as contas foram devidamente aprovadas pelo TRE", disse Camilo Santana. 

NOVO ENCONTRO DE PEDETISTAS ACONTECE NO MUNICÍPIO DE ITAREMA


O PDT acertou seu quarto encontro regional, que tem por objetivo mobilizar suas bases de olho nas próximas eleições. Segundo o presidente regional do partido, o deputado federal André Figueiredo, ocorrerá no próximo dia 27, no auditório do Núcleo de Informações Tecnológicas (NIT), em Itarema (Vale do Curu).

O encontro contará com a presença do ex-governador Cid Gomes, do presidente da Assembléia Legislativa, Zezinho Albuquerque, do secretário do Trabalho e Desenvolvimento Social, Josbertini Clementino, e do prefeito anfitrião de Itarema, Elizeu Monteiro.

Os deputados federais e estaduais, prefeitos e vice-prefeitos, vereadores e outras lideranças da região também participarão do evento.

(Informações via blog do Eliomar de Lima

17 de maio de 2017

REVELAÇÃO BOMBÁSTICA: DONO DA JBS GRAVA TEMER DANDO AVAL PARA COMPRA DE SILÊNCIO DE CUNHA, DIZ JORNAL O GLOBO

Na tarde de quarta-feira passada, Joesley Batista e o seu irmão Wesley entraram apressados no Supremo Tribunal Federal (STF) e seguiram direto para o gabinete do ministro Edson Fachin. Os donos da JBS, a maior produtora de proteína animal do planeta, estavam acompanhados de mais cinco pessoas, todas da empresa. Foram lá para o ato final de uma bomba atômica que explodirá sobre o país — a delação premiada que fizeram, com poder de destruição igual ou maior que a da Odebrecht. Diante de Fachin, a quem cabe homologar a delação, os sete presentes ao encontro confirmaram: tudo o que contaram à Procuradoria-Geral da República (PGR) em abril foi por livre e espontânea vontade, sem coação.

É uma delação como jamais foi feita na Lava-Jato: Nela, o presidente Michel Temer foi gravado em um diálogo embaraçoso. Diante de Joesley, Temer indicou o deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) para resolver um assunto da J&F (holding que controla a JBS). Posteriormente, Rocha Loures foi filmado recebendo uma mala com R$ 500 mil enviados por Joesley. Temer também ouviu do empresário que estava dando a Eduardo Cunha e ao operador Lúcio Funaro uma mesada na prisão para ficarem calados. Diante da informação, Temer incentivou: "Tem que manter isso, viu?".

Aécio Neves foi gravado pedindo R$ 2 milhões a Joesley. O dinheiro foi entregue a um primo do presidente do PSDB, numa cena devidamente filmada pela Polícia Federal. A PF rastreou o caminho dos reais. Descobriu que eles foram depositados numa empresa do senador Zeze Perrella (PSDB-MG).

Joesley relatou também que Guido Mantega era o seu contato com o PT. Era com o ex-ministro da Fazenda de Lula e Dilma Rousseff que o dinheiro de propina era negociado para ser distribuído aos petistas e aliados. Mantega também operava os interesses da JBS no BNDES.

Joesley revelou também que pagou R$ 5 milhões para Eduardo Cunha após sua prisão, valor referente a um saldo de propina que o peemedebista tinha com ele. Disse ainda que devia R$ 20 milhões pela tramitação de lei sobre a desoneração tributária do setor de frango.

Pela primeira vez na Lava-Jato foram feitas "ações controladas", num total de sete. Ou seja, um meio de obtenção de prova em flagrante, mas em que a ação da polícia é adiada para o momento mais oportuno para a investigação. Significa que os diálogos e as entregas de malas (ou mochilas) com dinheiro foram filmadas pela PF. As cédulas tinham seus números de série informados aos procuradores. Como se fosse pouco, as malas ou mochilas estavam com chips para que se pudesse rastrear o caminho dos reais. Nessas ações controladas foram distribuídos cerca de R$ 3 milhões em propinas carimbadas durante todo o mês de abril.

Se a delação da Odebrecht foi negociada durante dez meses e a da OAS se arrasta por mais de um ano, a da JBS foi feita em tempo recorde. No final de março, se iniciaram as conversas. Os depoimentos começaram em abril e na primeira semana de maio já haviam terminado. As tratativas foram feitas pelo diretor jurídico da JBS, Francisco Assis e Silva. Num caso único, aliás, Assis e Silva acabou virando também delator. Nunca antes na história das colaborações um negociador virara delator.

A velocidade supersônica para que a PGR tenha topado a delação tem uma explicação cristalina. O que a turma da JBS (Joesley sobretudo) tinha nas mãos era algo nunca visto pelos procuradores: conversas comprometedoras gravadas pelo próprio Joesley com Temer e Aécio — além de todo um histórico de propinas distribuídas a políticos nos últimos dez anos. Em duas oportunidades em março, o dono da JBS conversou com o presidente e com o senador tucano levando um gravador escondido — arma que já se revelara certeira sob o bolso do paletó de Sérgio Machado, delator que inaugurou a leva de áudios comprometedores. Ressalte-se que essas conversas, delicadas em qualquer época, ocorreram no período mais agudo da Lava-Jato. Nem que fosse por medo, é de se perguntar: como alguém ainda tinha coragem de tratar desses assuntos de forma tão descarada?

Para que as conversas não vazassem, a PGR adotou um procedimento incomum. Joesley, por exemplo, entrava na garagem da sede da procuradoria dirigindo o próprio carro e subia para a sala de depoimentos sem ser identificado. Assim como os outros delatores.

Ao mesmo tempo em que delatava no Brasil, a JBS contratou o escritório de advocacia Trench, Rossi e Watanabe para tentar um acordo de leniência com o Departamento de Justiça dos EUA (DoJ). Fechá-lo é fundamental para o futuro do grupo dos irmãos Batista. A JBS tem 56 fábricas nos EUA, onde lidera o mercado de suínos, frangos e o de bovinos. Precisa também fazer um IPO (abertura de capital) da JBS Foods na Bolsa de Nova York.

Pelo que foi homologado por Fachin, os sete delatores não serão presos e nem usarão tornozeleiras eletrônicas. Será paga uma multa de R$ 225 milhões para livrá-los das operações Greenfield e Lava-Jato que investigam a JBS há dois anos. Essa conta pode aumentar quando (e se) a leniência com o DoJ for assinada.

Acompanhe mais links da matéria sobre o assunto em foco:




Postagens mais recentes Postagens mais antigas Página inicial