Sexta, 20 de Outubro 2017: Aqui estão as principais notícias para você começar o dia bem-informado

15 de julho de 2016

A DIFÍCIL VIABILIZAÇÃO NUMA CABEÇA DE CHAPA DA OPOSIÇÃO

Dr. Jilson Canuto e o ex-prefeito Nilson Frota (ambos PSDB) aparentemente fizeram papel de “aliados” a Jacques ao virem a público, no passado final de semana em "convenção" realizada na Câmara Municipal de Massapê, a serem a favor da “união” com o PMDB. No entanto, para um bom observador, e lá esse blogueiro era o único presente, os indícios são cada vez mais claros da inconsistência da suposta conciliação entre eles visando às eleições municipais, em outubro deste ano.

Durante trechos de discurso do ex-vice-prefeito Jilson Canuto, - na parte da manhã de sábado, indiretamente, ele deixou transparecer nas entrelinhas que a provável unidade política poderia depender de sintonia com a maior liderança do partido, em Massapê.   

Como se sabe, ele tem o maior carinho à pessoa de Luiz Pontes e tem uma relação de afinidade muito grande. Daí à insistência do grupo de Jacques em cooptá-lo, ou seja, atrair ajuda e força política junto a Luiz Pontes.  No entanto, apesar de ter estado no encontro do PMDB, estimulado a comparecer à convenção, por Jacques Albuquerque - via facebook - "Jilsim", como é mais conhecido, não pôde e nem deverá resolver nada em nome do amigo-irmão, Luiz Pontes.

Em sua terra natal, nas remotas vezes que veio durante o período pós-eleição na derrota de Fernando Antonio a prefeito, em 2012, para Antonio José Albuquerque (PP),  Luiz Pontes sempre se comportou de modo estranho e singular junto aos aliados; politicamente falando, principalmente a alinhamento político com Jacques Albuquerque.

Ao ser instado ou forçado a falar publicamente sobre o assunto, nas principais rodas de conversas políticas, o principal líder do PSDB desconversa e sai pela tangente. Por isso, o nome do pré-candidato da oposição – se for concretizado nas convenções partidárias - sem o principal aval de Luiz Pontes, caminha célere para se tornar instrumento de suicídio político.

Rumores à parte, a verdade é que nos bastidores políticos o PSDB não quer dar a cabeça de chapa para Jacques Albuquerque. Da mesma forma, por sua vez, Jacques aliado aos partidos de menores expressões como PR, PTN e PEN quer a cabeça de chapa. Enfim, é uma união ouriçada e resta saber quem vai renunciar a esse "casamento" por mera conveniência.

Para concluir nossa postagem, duas cenas chamaram-me  a atenção: a primeira, Jacques Albuquerque ao fazer seu discurso, não ultrapassou a mais de dois minutos. Balbuciou nas palavras, emocionou-se e não disse mais nada, sendo logo acarinhado pela filha. A segunda, após o final do movimento, houve uma aglomeração defronte à Câmara, entre Paulo Vagalume, Jilsim, Cori e seu Nilson Frota. A conversa entre eles durou mais de meia hora. Sobre o assunto,  só Deus sabe!

Aguardemos as cenas dos próximos capítulos desta novela mexicana.
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário