Domingo, 22 de Outubro 2017: Aqui estão as principais notícias para você começar o dia bem-informado

10 de maio de 2016

EM ENTREVISTA AO DCM, CIRO GOMES FALA SOBRE TEORI, CUNHA, LULA E 2018

Em entrevista ao Diário do Centro do Mundo, Ciro Gomes (PDT), durante o evento do Mídia NINJA chamado “Precisamos Falar de Política”,ele debateu o golpe, a crise econômica, a construção de Belo Monte e os problemas sociais recentes. O pedetista que atualmente presta serviços para a CSN e mora em São Paulo, fala como candidato em 2018, mas não confirma.

VEJA:
DCM: Se o senhor por acaso tentar a presidência da República, qual será a sua plataforma de governo? Tentará fazer a reforma política diante do Congresso corrupto?
Ciro Gomes: Não serei candidato por acaso (risos), só se eu realmente achar que devo tentar. Para chegar ao governo, proponho duas plataformas. Uma delas se desdobra em três características.
A primeira plataforma que eu vou defender é a fiscal, que vira também as reformas tributária e previdenciária. Essa minha defesa é pela recuperação econômica plena depois de uma péssima gestão do Joaquim Levy no ministério da Fazenda.
A outra grande proposta que quero fazer é a reforma política. As instituições representam atualmente a nossa sociedade. Para mudá-la, só colocando o povo na equação. Ao assumir a cadeira presidencial, você precisa arrumar a casa em seis meses, resolvendo conflitos inclusive.
Os presidentes precisam se colocar como chefes de Estado, mediando os embates de ideias. No entanto é necessário não ter paixões para manter um distanciamento para não fazer uma reforma política na conveniência do seu projeto de poder. A opinião do presidente não pode ter prevalência. A dinâmica deve ocorrer dentro do Congresso.
Se o impasse da reforma política permanecer, deve-se convocar a população. Daí resolve-se através de plebiscito ou referendo.
DCM: No debate o senhor falou que o afastamento de Cunha é motivo de comemoração. Por quê? E o fato dele ainda não ter sido condenado?
CG: Acho que as coisas tem um valor em si. Estamos todos na eminência de um golpe e isso é passional. E péssimo. Falta um anjo vingador para nos salvar da tragédia que está se desenhando. Isso eu entendo.
Só que, quando o Eduardo Cunha é ciclicamente vitorioso, premiado pelas práticas mais calhordas e gangsteristas já vistas, ele passa o atestado que a política virou um pardieiro sem exceções. Isso destrói a cabeça de um jovem que tiver esperança em ter uma participação nesse meio.
Por isso eu acho a saída do Eduardo Cunhatem seu valor, embora o céu não esteja mais perto em decorrência disso.
DCM: O senhor leu a liminar pedindo a cassação do ministro Teori Zavascki?
CG: Li as 74 páginas mais cedo e é notável a peça de Teori. É o único precedente na história brasileira do Supremo Tribunal Federal afastar o presidente da Câmara durante seu mandato. Isso não foi pouca coisa, por mais que a gente desejasse tudo antes.
Não há nada comparável na literatura jurídica. O que ele fez foi um voto irrespondível, mostrando que um ministro do Supremo recebeu a denúncia e conseguiu afastá-lo de fato. Um presidente da República poderia ser afastado desta forma. É lastimável que o Senado não tenha passado por um processo similar.
Essa investida do Teori Zavascki está em sintonia com o melhor do Direito Constitucional a nível global. Sou ex-professor nessa área e posso dizer isso. A imunidade do mandato popular deve ser para o objetivo público, não para fazer ou desfazer e muito menos para achacar pessoas, como Cunha fez. Vale a pena ler a peça porque eu nem fazia ideia da quantidade de besteiras do presidente da Câmara havia feito de fato.
DCM: Depois de tudo que o Cunha aprontou pelo golpe, não é muito fácil o Teori Zavascki agora pedir seu afastamento? O Supremo não demorou muito?
CG: O STF é o que ele é que ele é. Tirando Marco Aurélio Mello, recomendação do Collor, o Gilmar Mendes, do FHC, e o Celso de Mello, do Sarney, todos os ministros foram recomendações do Lula e da Dilma. Sabe quando uma Suprema Corte de um país como a Suécia atropela os poderes interdependentes para cassar o mandato do presidente da Câmara? Eu não conheço nada similar. Fui professor de Direito Constitucional e sei do que falo.
O ministro Teori agiu por conta dos abusos claros deste bandido chamado Eduardo Cunha e por uma pressão muito clara das ruas, das manifestações. É só por isso que essa cassação aconteceu no momento em que aconteceu. Este acontecimento é exótico e não é sequer desejável. O que deveria ocorrer é a gente eleger corretamente os caras.
DCM: Eduardo Cunha vai mesmo pra cadeia?
CG: Vai pra cadeia sim. A prova é robusta e insofismável.
DCM: O que o senhor tem a dizer sobre a investigação que a PGR do Rodrigo Jabot quer abrir contra Dilma e Lula?
CG: O procurador abriu as apurações, mas elas ainda estão no início do processo e dependem dos juízes do STF.
DCM: O senhor disse em entrevistas que as cabeças do golpe são o Temer e o Cunha. Há textos na imprensa que apontam para o apoio do próprio Sergio Moro e de Rodrigo Janot. É verdade?
CG: Não acredito num envolvimento do Janot. Até vejo o procurador, de forma constrangida, demonstrar distanciamento e isenção diante do que o Lula tem falado.
DCM: Como assim?
CG: O Lula se sente no direito de falar como se fosse Deus. Ele criou um constrangimento com as histórias do triplex no Guarujá e do sítio em Atibaia. O ex-presidente, muito meu amigo, deve explicações e é honesto.
Ele precisa ter paciência com tudo o que está acontecendo. Se você tem a indignação dos inocentes, dê provas disso. Não basta não ser corrupto. Você precisa realmente parecer idôneo.
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário