Domingo,17 de dezembro 2017: Aqui estão as principais notícias para você começar o dia bem-informado

13 de novembro de 2014

VIA E-MAIL AO SITE: "DEPUTADO PARAQUEDISTA"

Contam à boca miúda nos quatro cantos de Massapê, de leste (bairro Educador Luiz da Hora Pereira) a oeste (Alto Boa Vista) e de norte (Rua do Cemitério) a sul (Bandeira Branca), que um determinado candidato a deputado Federal, no intuito de conquistar o segundo mandato consecutivo nas eleições 2014, promovia aquelas obscuras e sinistras visitas domiciliares, via de regra, na calada da noite, e em uma dessas ocasiões que só acontecem de quatro em quatro anos, o ilustre deputado e sua comitiva vararam a noite, indo parar em uma aconchegante localidade denominada Paus Brancos. Ligeirinho, o anfitrião, proprietário de uma casinha de pau-a-pique, providenciou preguiçosa rede de tucum armada à sombra de uma frondosa mangueira, plantada no terreiro da humilde residência, terreiro este que não mais de meia dúzia de galinhas caipiras livremente ciscavam. E, enquanto o político gozava do merecido e necessário descanso, a seleta comitiva de “saco & corda” recomendou ao dono da casa que abatesse a mais gorda galinha pé duro daquele terreiro e preparasse uma suculenta galinha caipira à cabidela (o prato preferido do deputado) para servir no almoço, tão logo ele ressuscite, ou melhor, acorde. E assim foi feito. Todos se banquetearam ao sabor da obesidade mórbida do bípede emplumado, e na hora de pagar a conta, o deputado (muito bem humorado) deu uma de anfitrião, subiu numa enorme pedra que ali jazia e improvisou um pequeno, mas caloroso discurso. A seguir, transcrição do diálogo, vazado nos seguintes termos:
- Meus amigos e minhas amigas! Esta noite eu fui muito bem recepcionado pelas “mulheres do Riacho Fundo” que prepararam para o jantar, uma afrodisíaca canja. E hoje, os meus “eleitores dos Paus Brancos”, fizeram da mesma forma, para servir no almoço uma suculenta galinha caipira que, diga-se de passagem, estava uma delícia – se justificou o distinto e brincalhão político aos moradores da casa, que após intermináveis aplausos, emendou – o senhor tem palitinho de dente?
- Num tem não deputado, mas a gente dar um jeitinho. Menino vá correndo e volte voando até aquele pé de mandacaru e traga um espinho dos maiores. E enquanto o deputado cuidadosamente “palitava” os dentes, agradeceu a generosa acolhida e foi logo perguntando ao seu futuro eleitor:
- Seu Zé o meu tempo é muito curto e haja vigor físico. Aguardam-me, ansiosas, para um bate-papo informal, as “donzelas da Cacimbinha”, as “moças da Cacimba Nova“ e as “senhoras da Cacimba Velha”. Diga-me quanto foi a conta!?
Seu Zé, sem trejeitos, pensou alguns segundos com os seus botões, criando um clima de incógnita no ar.
- Não tenha vergonha não, homi. Diga quanto eu pago pela despesa do farto almoço, diga?
- E por acaso fartô alguma coisa, deputado? – tentou se orientar o rude agricultor.
- Não faltou nada. Pelo contrário, até sobrou comida. Mas não me enrole e diga quanto custou o almoço, diga? Não tenha vergonha, pode cobrar que eu pago! – perguntou o deputado pela segunda vez, retirando do bolso um pacote de dinheiro graúdo.
- Vossa Excelência só vai pagar trezentos Reais – respondeu cabisbaixo, o humilde, mas esperto homem.
- Quanto???
- Trezentos Reais...
Refeito do baita susto, não restou outra alternativa ao deputado, senão, pagar a conta, indagando:
- Eu vou lhe pagar os trezentos Reais, tome aqui. Mas me responda uma só pergunta: galinha caipira por estas bandas é raridade?
- Num é não sinhô. Raridade por aqui é deputado.
Do livro: Estórias & Casos com Causos & Histórias de Massapê – autor: Ferreirinha de Massapê.
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário