Quinta,14 de dezembro 2017: Aqui estão as principais notícias para você começar o dia bem-informado

4 de novembro de 2014

ENEM: “NA HORA DO BRANCO, LEMBRE-SE DO SEMÁFORO”

A quatro dias do Exame Nacional do Ensino Médio – Enem, os mais de 8,7 milhões de inscritos empenham-se em tirar as últimas dúvidas e buscar os mais variados recursos para se sair bem na prova. Afinal, além de avaliar a proficiência ao final do Ensino Médio, o exame é também utilizado como vestibular para uma série de universidades públicas e particulares, tornando-se essencial para definir o futuro de cada participante, para qual carreira poderá seguir no Ensino Superior e, posteriormente, no mercado de trabalho.

Não à toa, tamanha importância pode acabar gerando uma série de reações emocionais nos estudantes na hora da prova, como o “frio na barriga”, o nervosismo e a ansiedade, entre tantos outros. Um dos acontecimentos mais comuns relatados em exames desse porte é o “branco” na hora de resolver uma questão. Ou seja, o estudante domina todos os conceitos, sabe resolver determinado problema, mas de repente se esquece de tudo, como se sofresse um verdadeiro apagão.

O artigo que você lê aqui no site Massapê Indo e Voltando, é de Sandra Garcia - mestre em psicologia na área do Desenvolvimento Humano e Processos de Ensino-Aprendizagem. Em primeiro lugar, diz ela, deve-se ressaltar que isso é normal com todas as pessoas, especialmente pela carga emocional e pela tensão envolvida na prova. O que devemos prevenir é que o “branco” em uma questão ou em um determinado momento, leve o estudante a um colapso total que o atrapalhe por muito tempo e prejudique todo o seu desempenho no restante da prova, comprometendo todo o seu período de estudos devido a um fator emocional.

Uma das saídas para driblá-lo de maneira consciente e inteligente é recorrer a métodos metacognitivos. Com origem na psicologia, tratam-se de recursos organizadores do pensamento e das ações que auxiliam a monitorar e modificar as estratégias de encontrar respostas em situações de resolução de problemas. Utilizando símbolos do cotidiano, eles organizam e ampliam estratégias de pensamento, possibilitando a metacognição, ou seja, a reflexão sobre a própria ação ou pensamento. Um dos métodos mais conhecidos que tem ajudado muitos estudantes a controlar o nervosismo em avaliações é o do “Semáforo”.

Ao se deparar em uma situação em que o “branco” apareça, lembrar da figura e das cores de um semáforo pode reorientar o estudante a dar um passo atrás, para depois seguir em frente. Primeiro, a luz vermelha indica o “Pare! Você precisa reavaliar toda a questão novamente”. Depois, a luz amarela, que sinaliza “Atenção! Concentre-se novamente em todos os pontos importantes”. Por fim, a luz verde, que indica “Siga! Agora que você retomou, vá em frente e resolva o problema”.
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário