Quinta,14 de dezembro 2017: Aqui estão as principais notícias para você começar o dia bem-informado

18 de março de 2014

VIA E-MAIL PARA PUBLICAÇÃO NO SITE: "Ó O SERVIÇO!"

Expedito Mendes Farias, popular Expedito Pompeu, pois de Pompeu nada tinha, também era conhecido no seio da sociedade massapeense pela alcunha de “Ó o Serviço”, inclusive, cumprimentando os amigos mais íntimos com o próprio apelido. Em meados da década setenta vez outra, ele se divertia no Clube Social e Artístico dos Operários de Massapê (classificação “de segunda”) e, em uma noite festiva animada pelo conjunto Azes do Planalto de Ubajara, CE, Expedito conquistou uma namorada, e após algumas rodadas de Cuba Libre e refrigerante Grapetti (é o novo!), foram para o “matel”, especificamente na “Salgadeira” - local para abate de pequenos animais (suínos, ovinos e caprinos) e sete meses depois a mulher aparece grávida, pedindo para que seu namorado registre a criança no cartório Cível, tão logo nasça, pois, ele seria com certeza absoluta, o pai. Duvidoso no reconhecimento da paternidade, Expedito Pompeu, deveras, precavido, disse para a mulher aguardar o nascimento do bebê, pois ele não se importaria fazer o exame DNA, mas com uma condição:

- “Ó o Serviço”! Se nascer “menino homem”, sou eu quem vai botar o nome dele. Agora, se for mulher, você, a mãe, pode botar qualquer nome. Tudo bem assim?

A gestante, que acabara de chegar do consultório do seu médico obstetra em Sobral (doutor Raimundo Nonato Silveira), mostra o resultado do exame de ultra-sonografia e diz taxativamente:

- Não seja por isso Expedito, o seu filho é homem! Igí! Espia o tamanho do saco do menino! Deve ter puxado ao pai...

Expedito, todo sorridente, pois nunca foi pai na vida, esbravejou:

- “Ó o Serviço”! Pois antes mesmo de o meu filho nascer, ele já tem nome!

- Expedito, por acaso, eu posso saber o nome que você vai botar no nosso filho? – indagou a futura mamãe.

- Pode! - disse Expedito, todo contente.

- E qual é?

- O nome dele é: “Ó o Serviço”!

Relatos dão conta que sua namorada se escafedeu e nunca mais apareceu, muito menos seu suposto filho, por conta da indicação do esquisito nome. Expedito Pompeu morreu como veio ao mundo: solteiro. Quanto a origem do apelido “Ó o Serviço”, ocorreu que nosso protagonista tinha por hábito fazer suas necessidades fisiológicas no mato, notadamente às margens do rio Contendas, de preferência à sombra das frondosas oiticicas, de sorte que certa vez no momento daquele ato vexatório, foi abordado por Davi (irmão do Melado), ambos de saudosas memórias, que por ali passava sorrateiramente à procura de “alguma coisa do gênero” ou “algo mais”, disse: - Ó o Serviço!...
De autoria do escritor Ferreirinha
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário