Domingo,17 de dezembro 2017: Aqui estão as principais notícias para você começar o dia bem-informado

27 de março de 2013

QUEM É CORONEL NUNCA PERDE A PATENTE

Por duas vezes prefeito de Massapê (1967-1971 e 1973-1976), Chico Lopes ganhou da vã filosofia popular a patente genérica de “coronel”. Durante a campanha eleitoral de 1971 para prefeito de Massapê, “coronel” Chico Lopes foi fazer um comício no distrito Tuina, outrora conhecido por “Remédio” (alusão à sua padroeira – Nossa Senhora dos Remédios), distante cerca de nove quilômetros da sede, e ao descer do seu carro para se dirigir ao palanque - montado a partir da carroceria de um caminhão Chevrolet “Cara de Sapo” da família Machado, de tão bêbado que estava, tropeçou e caiu com o rosto no chão. E ao recobrar a consciência (como que recobra?), depois de levar uns tapinhas na face do seu ajudante de ordens José Deusdete dos Santos - vulgo Bacabal, o político levantou-se imediatamente, sacudiu a poeira do paletó, fingiu que nada de mais havia acontecido, subiu ao improvisado palanque e começou assim o seu célebre e memorável discurso:

- “Meus caros hic... amigos, conterrâneos do Remédio, eu não caí, portanto, não preciso de Remédio, hic... mas preciso do povo do Remédio, para me eleger prefeito de Massapê! O que aconteceu foi, hic... que antes mesmo de subir neste palanque, e pronunciar qualquer palavra hic..., fiz questão absoluta de humildemente beijar o solo dessa maravilhosa terra que eu tanto amo, hic... abençoada por Deus”. O político, demasiadamente aplaudido naquela noite festiva, mal conseguiu terminar o seu discurso, foi ovacionado e carregado em triunfo por meia dúzia de puxa-saquistas, pelas principais ruas daquele simpático distrito. E precisava mesmo, porque Coronel Chico Lopes mal conseguia ficar de pé, imagine caminhar no meio da multidão, face às excessivas doses etílicas consumidas. Se assim o fizesse novamente, com certeza seria tiro & queda: bufo, no chão. E depois do histórico comício, muita cachaça rolou solta para os seus correligionários, enquanto o nobre e saudoso político, cognominado “O Pai da Pobreza”, apreciava seu bom uísque, fato esse incontestável, conforme flagrante em preto e branco de um retratista anônimo. E, uma vez recuperado do baita susto, Chico Lopes fez questão de dar um abraço coletivo em todos ali presentes, e de viva voz balbuciou:
- Quem é rei, hic... Nunca perde a majestade!...
Foi quando seu capanga, ou melhor, o ajudante de ordens Bacabal, emendou:
- E quem é coronel, nunca perde a patente.
O povo assistindo ao memorável comício no Remédio
Fonte fotográfica: Dona Izabel Aguiar.
Do livro: Coronel Chico Lopes – Vida & Obra. Autor: Ferreirinha.
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

Um comentário:

  1. gostei muito dessa matéria, que conta de alguns acontecimentos da meu querido distrito. Nas imagens pude constatar a foto de um parente meu que está bem idoso. E queria saber como o ferrerinha conseguiu essa imagem, achava que a historia de Remédio estava perdida no tempo, não sei nem o porquê se chama Tuína? Desejaria descobrir mais sobre o meu querido distrito, É mas o que posso fazer? Se a historia de tuína é esquecida no tempo, imagine os cuidados que os políticos tem com esse pacato lugar!

    ResponderExcluir