Segunda, 21 de Agosto 2017: Aqui estão as principais notícias para você começar o dia bem-informado

14 de novembro de 2012

POR E-MAIL, VEJA A CRÔNICA DO COLABORADOR FERREIRINHA AO BLOG MASSAPÊ INDO E VOLTANDO: " MACACOS ME MORDAM"


MACACOS ME MORDAM
Nas eleições municipais de 2012, em Massapê, cidadezinha do interior cearense, as previsões eleitoreiras eram das mais inusitadas, no que se refere ao qual político sufragaria vitorioso nas urnas. “A Força do Novo Tempo” divulgava pesquisa encomendada pela sua coligação, com margem expressiva de vantagem ante seu opositor. Da mesma forma, a coligação “Do Povo para o Povo”, com igual vantagem a seu favor. Quem falava a verdade ou faltava com a verdade, só o tempo iria dizer no dia 7 de outubro. Que ironia, sete – a conta do mentiroso, segundo a vã filosofia popular. Terreiros de macumba ou de umbanda, como queiram, nos três meses da campanha eleitoral, eram frequentadíssimos por ingênuos e fanáticos eleitores, que recebiam mensagens do além, via Caboclo, Pomba-Gira,Tranca Rua e Cia Ltda., que defendiam com unhas e dentes, ou melhor, com descarada mentira, fanáticos e esperançosos e porque não dizer, eleitores desesperados de toda sorte. Teve um falso vidente, que se dizia dono da verdade, que previu até o fim do mundo, imagine uma simples eleiçãozinha com a vitória da coligação “Do Povo para o Povo”. Mas que asneira! Até a única casa de morada dele, foi posta ao infortúnio, pau a pau, de sorte que o concorrente, correu frouxo. Outro falso profeta atendendo a um trabalho encomendado, flutuou dois barquinhos de papel, um vermelho e o outro azul, em uma bacia cheia de água, e eis que após exatos 45 segundos o barquinho vermelho afundou, engolido pela Onda Azul, encalhando a 40 metros de profundidade. Teve um deles que disse “tirar de letra” a vitória da coligação 45, pois que, já acertou quatro vezes e não seria desta feita que iria errar. Errou, ou melhor, enganou feio. Depois, não gostam que nós, formadores de opinião, tornemos público suas mirabolantes profecias e falsas vidências, ao extremo de um deles me intitular “Um Desocupado da Vida”. Va-ga-bun-do, com todas as sílabas, é “Vossa Falsa Entidade”, que nunca trabalhou e vive e sobrevive de enganar os pobres de espírito. Desconhece, o ignóbil, o trabalho histórico, cultural, literário e artístico que desenvolvo em nossa cidade. Consta que, tão logo a Justiça Eleitoral declarou vitoriosa com margem expressiva de 1.078 votos de diferença à favor da coligação “A Força do Novo Tempo”, um matuto caboclo serrano, com raízes e residência fixa na Serra da Meruoca, necessitou, desesperadamente, dos “poderes sobrenaturais” de um vidente, para dar cabo do seu macaco que sumira repentinamente. Foi-lhe dito sem margem de erro e com toda segurança, que seu mimado macaco de estimação, àquela altura, infelizmente metade da sua suculenta carne estava salgada, e a outra metade bem fresquinha, na fervura da panela de barro no fogão a lenha, em longo processo de cozimento, temperada com cheiro verde e pimentas de cheiro. No que seu não bobo consultado espiritual retrucou, esclarecendo que o macaco em referência, era o equipamento mecânico e hidráulico utilizado para a suspensão de veículos automotores, que fora subtraído por larápios do interior do seu caminhão, na calada da noite anterior. E aonde foi parar a credibilidade desse charlatão que se intitula vidente? Macacos me mordam.
Do livro: Estórias & Casos com Causos e Histórias de Massapê – autor: Ferreirinha.
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário