Domingo,17 de dezembro 2017: Aqui estão as principais notícias para você começar o dia bem-informado

4 de outubro de 2012

VIA E-MAIL, CRÔNICA AO BLOG: "MAR VERMELHO X ONDA AZUL"

A combinação desses dois fenômenos, literalmente sobrenaturais, dá no que dá: um tsunami de proporções inimagináveis, com ondas coloridas de até 40, 45 metros de altura, invadindo casas, ruas, bairros e distritos de Massapê, provocando uma série de arrastões, carreatas e passeatas. Desde o início da atual campanha eleitoral, a seguir, um resumo imparcial dos fatos inusitados e curiosos que eu vi, dos dois lados. Eu vi, um Cabeça-de-Fita que se encontrava em Sobral, dispensar carona para Massapê em uma ambulância, pagando sua passagem no transporte coletivo, pelo simples fato de não votar no político do poder situacionista. E eu perguntei:  – Se o seu pai necessitasse de um transporte ambulatorial para ser socorrido e não tivesse outro meio, o que você faria? Ele morreria – respondeu-me friamente, o sem tutano cefálico. Eu vi, por várias vezes, uma idosa “avermelhada” fazer o “Nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo”, toda vez que algum carro de som da Onda Azul passava defronte sua residência. Ela, da sua calçada, com um terço nas mãos (de cor vermelha, é claro), fazia promessas e mais promessas para todos os santos, notadamente o santo das causas impossíveis e urgentes – Santo Expedito. E bota fé. Acontece que santo não vota. Eu percebi que nesta época das eleições municipais, as pessoas pintam a fachada das suas residências nas cores vermelha ou azul, dependo da sua agremiação política. Eu vi um alcoólatra em abstinência, jurar que se o Mar Vermelho engolir a Onda Azul, tomará porres e mais porres durante dias consecutivos; entretanto, se acontecer o contrário, deveras chateado, beberá somente um dia. Eu vi um Azulão roxo, muito farrista, completar 40 anos de idade e não comemorar o seu aniversário, simplesmente por coincidir com o número da coligação oposta. O outro, apaixonado pelo número 45, estava na fila da agência do Banco do Brasil, ocasião que o painel eletrônico anunciou sua senha de número 40, ele adiou o atendimento, repassando-a para o cliente que estava atrás. Até crianças eu vi, nas calçadas das suas casas cantarem músicas do Lado de Lá e do Lado de Cá, pulando, gritando e por incrível que pareça, brigando, trocando chutes e pontapés. “Ora, se os adultos brigam, porque nós também não podemos fazer o mesmo?” – imagino que assim pensam e indagam. Mas briga feia mesmo, foi a que eu vi, de mulher com mulher. As duas, rolando ao chão, atracadas pelos cabelos, defendiam seus políticos com unhas e dentes, ou melhor, só com os cabelos. Nos comícios multicoloridos, nas emissoras de rádio e nos carros de som, comumente  o que se ouve, são expressões pejorativas. Um diz “é mentira”; o outro exclama “o nosso eterno senador”; um afirma “ex-suplente de deputado estadual”; o outro se orgulha  “eu fiz isso”; um perde o decoro com “seus marginais”; o outro promete “eu vou fazer aquilo”; um revela “seus forasteiros”; o outro esbraveja “a presidente do Brasil está do nosso lado”; enquanto um diz “O Massapeense do Século, está do Lado de Cá”, etc. e tal. A verdade é ninguém quer ficar por baixo, claro. Eu vi eleitores Ficha Suja atrasarem e acumularem propositadamente por dois, três meses, suas contas de água e luz, para levar vantagem diante dos políticos Ficha Limpa. Se esquecem que a Lei da Ficha Limpa, é o eleitor de cara nova. Ora, até a igreja católica adiou do dia 3 para o dia 6 de outubro, o final dos festejos religiosos de São Francisco! Eu vi até um simpático palhaço, pegando carona em uma Onda Azul com o deputado federal por São Paulo, o cearense Tiririca, com o intuito de moralizar a nossa política municipal. É o chamado voto de protesto, já imaginava o grande pensador alemão Berthold Brecht. Se dependesse das crianças, o palhaço seria eleito. Acontece que criança não vota. Parece até que vivemos num mundo imaginário de “Alice no País das Maravilhas”. E tudo são flores. Flores azuis e vermelhas. As primeiras, com o aroma das violetas do “Campo”; as segundas, com a beleza das orquídeas da “Selva de Pedras”. Teve um “Doidim Ensapatado”, filhote de Cabeça-de-Fita da gema, que apesar de freqüentar a escola a semana inteira, foi considerado ausente, pois, quando o professor fazia a chamada, ele não respondia “presente”. É que o seu número de chamada na escola era 45. A diretora do estabelecimento educacional teve que substituir por outro o número do aluno, sob pena de responder criminalmente por bullying. É brincadeira... Revoadas de Tucanos e Cabeças-de-Fita se debandam e vêm de outras cidades, da capital cearense e até de outros estados, visitar o habitat natural, para demarcar o seu território no dia da eleição, com unhas e dentes, ou melhor, com o voto. Eu vi um filhote de Tucano não comprar um pen-drive em uma lan house, só porque o dispositivo eletrônico tinha a cor vermelha. Eu vi Cabeças-de-Fita e Tucanos se agredirem moralmente e fisicamente, ao final, com asas e bicos quebrados, somente porque um invadiu o território do outro, mas que besteira!. Eu vi desavenças maritais com promessas e juras de separação eterna, se o candidato de um dos cônjuges for ou não eleito. O guarda-roupa desses fanáticos eleitores, ganha novas cores (azul, vermelha e até amarela), e os mais esperançosos, o verde. Eu mesmo fui vítima de chacota, um certo dia, por ter saído às ruas de nossa cidade com uma camisa de cor azul, que eu tanto gosto. “Ferreirinha, virou, né!” – foi esse o comentário. Eu vi um Tucano roxo, por interesse meramente pessoal, mudar de plumagem da noite para o dia, e nas grandes concentrações públicas, se exibir posicionado no galho mais alto da árvore genealógica Cabeça-Fitana, estufando o peito e empinando o bico (ainda tucaneado), para mostrar a todos o poder do seu peso. Que peso? Quiçá, da sua consciência, do enorme bico ou da sua crista? Eu vi um octogenário “Vermelho Sangue de Boi”, que mal consegue se locomover e enxergar, dizer que é uma questão de honra votar no seu candidato, no dia 7 de outubro. Como que vota? Eu juro que não sei. Vi outro, “Azul da Cor do Céu”, com graves problemas cardíacos, registrar testamento em cartório, da seguinte forma: Se o candidato dele perder, ele também vai para o “beleleu”, mas à estilo e rigor, e com todas as honras – o funeral azul, com flores azuis, caixão azul, túmulo pintado de azul e o público presente vestido de azul. “Ah, não se esqueçam de cobrir a urna funerária com uma bandeira azul” – lembrou o finado, ou melhor, fanático eleitor. Este sim, nas suas veias, com certeza, corre sangue azul. Eu vi um eleitor “Tucano Doente”, árbitro de futebol amador, apitar um jogo e deixar rolar solto, sem aplicar faltas graves só para não usar o cartão amarelo, imagine o vermelho! A cidade efervesce neste verão, com temperaturas altíssimas oscilando entre 40º e 45º (na sombra), embalando uma legião de fanáticos que faz inveja à qualquer grupo radical, extremista e fundamentalista islâmico, por exemplos, Al Kaida  e Talibã. Nas ruas, o que se vê e se ouve à todo momento, são: Pipocos de fogos de artifício (de dia, de noite e até de madrugada); propagandas auditivas acima dos decibéis permitidos; bandeiras coloridas flamulando aos fortes ventos de até 40, 45 km por hora; espionagem e jogo de contra-informação; panfletagens; propostas de emprego relâmpago; paródias com letras provocativas; conversas ao pé-de-ouvido; tapinhas nas costas; visitas domiciliares dia e noite, e de madrugada também; um vira-vira de eleitores; piadas de mal gosto; peidos na boca; risadas provocativas; tumultos generalizados; eleitores com a cara de poucos amigos; bate-boca nos bares e comércio em geral; rogações de pragas e macumbas; e quando não, ofensas de baixo calão, como por exemplo, a de um eleitor 40 que peidou na boca provocando um eleitor 45, que revidou dizendo: “Triste da mãe que tem um filho que faz da boca um monossílabo sintático fétido, formado com as letras “c” e “u”. No bairro que moro, eu vi um tubarão faminto do Oceano Azul, (agindo mais com a emoção do que com a razão), dizer que o seu vizinho do Mar Vermelho – um doente em estado quase terminal, não sobreviverá até o dia 7 de outubro. Que absurdo! Absurdo que nada. Foi tiro e queda. Três semanas após enterraram o corpo do Cabeça-de-Fita! Mais absurdo ainda: Eu vi um Cabeça-de-Fita do Paraguai, revestido de plumagem amarelada, comemorar o trágico fim de um infeliz Tucano, sob a alegação de que seria um voto a menos. “Isto não é coisa que se faça!” – reagiu um velho Cabeça-de-Fita, que concluiu: – “Cabeça-de-Fita que se preza, não muda a cor da plumagem. É escarlate até morrer e ponto final”. Eu vi, um foragido da Justiça “Sangue Bom”, ou melhor, “Sangue Azul”, comentar a possibilidade de votar no dia da eleição, para só depois se apresentar à autoridade competente; conquanto, vi um enfermo já todo “avermelhado”, sentindo convulsões, no leito hospitalar, com temperatura corporal de 40º,  antecipar sua alta por conta própria, também para fazer o mesmo. Eu vi o governador do Ceará, no seu primeiro comício em Massapê, acometer-se de um leve mal-estar no palco e solicitar água à sua assessoria; conquanto, um curioso e intrometido filhote de Tucano, que estava ao meu lado, dizer: - “Governador, em Massapê faz tempo que não tem água”. Pena que o político não ouviu, e de tal sorte, que, os que estavam à nossa volta, também não ouviram. Um cardume de “Peixes Pequenos” do Oceano Azul ameaçou realizar protestos pacíficos, com figurantes transportando baldes e potes com rodilhas na cabeça. Ainda bem que os Tubarões azulados acharam por bem, que não. Senão, o ato festivo correria o risco de se transformar num campo de batalha. O outro, mais azulado ainda, desconfiou, alegando que aquele que estava no palco, era um sósia do chefe do executivo estadual. E ao final daquele comício, um Cabeça-de-Fita até nas profundezas dos quintos do inferno, protestou: - “Porque o maior líder político dos 40 não discursou?”  É mole ou quer mais? Nos três meses que antecedem as eleições municipais 2012, eu vi simpatizantes das duas aves mascotes se intrigarem de “Sangue a Fogo”, sem mais e nem menos; conquanto, eles, os políticos dos dois lados, se confraternizarem apadrinhando seus pupilos na capital alencarina. Em Massapê, nesta época, tudo se acaba em festa e se aposta de tudo, sem medir consequências: Casa, terreno, carro, moto, dinheiro, gado, porco, galinha e se possível, até a sogra. É claro, sem antes deixar de fazer uma visitinha básica ao seu vidente ou terreiro de macumba, e salve-se quem puder. E por falar em vidente, teve um, que prenunciou a vitória da coligação “Do Povo para o Povo”, conquanto, pesquisas indicam a vitória da coligação A Força do Novo Tempo.
Até lá, quem viveu, verás. A verdade é que o povo, dividido meio a meio, neste período respira política e se alimenta de política. Tem loucos que fazem promessas diabólicas para vender sua alma ao Lúcifer, se o seu candidato for eleito. Não fazendo apologia ao crime, eu vi um eleitor “encarnado” de raiva, se comprometer matar e até se suicidar, no caso de derrota do seu candidato. Eu lhe sugeri a segunda alternativa. Acredite se quiser! Eu ouvi uma jovem prostituta dizer que iria pintar a metade do coro cabeludo que cobre o símbolo da sua feminidade, na cor azul, e a outra metade, na cor vermelha, para agradar Gregos & Troianos. E digo mais. Eu mesmo recebi uma proposta um tanto quanto indecorosa e inusitada, de uma “Garota de Programa”, que me propôs uma aposta da seguinte forma: Manter três meses de relação sexual comigo, duas vezes por semana, sem nenhum custo financeiro, se o meu candidato ganhar a eleição. Se o candidato dela ganhar, eu pagarei a aposta com a minha TV usada e velha, preto & branco, de 14 polegadas, faltando dois botões, com a antena interna quebrada, feito gambiarra com uma palha de Bombril, sem controle remoto, sem saída de áudio e vídeo e que só funciona na porrada. Desespero ou excesso de confiança? Nenhum dos dois. É uma doença infecto-contagiosa e por incrível que pareça, contagiante e alucinógena, pois, atinge a todos, sem exceção. Eu diria, uma endemia, com duas grandes forças políticas, representadas simbolicamente pela coloração exuberante das exóticas plumagens do Cabeça-de-Fita e do Tucano. É melhor parar por aqui, senão, o que seria uma  crônica, poderá se tornar um livreto. Enquanto isso, eu, daqui da minha prancha colorida, continuo surfando na imensidão desse Mar Vermelho, pegando carona em uma enorme Onda Azul, aguardando a bonança que virá após a tempestade, com a certeza que o Astro Rei Sol, nascerá no dia 8 de outubro de 2012, restando saber, se os seus raios surgirão no horizonte massapeense com as cores vermelha ou azul...
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário