Sábado, 21 de Outubro 2017: Aqui estão as principais notícias para você começar o dia bem-informado

12 de abril de 2012

NOTA DE ESCLARECIMENTO


Veja a nota, abaixo, chegada via e-mail ao blog Massapê Indo e Voltando, em referência à Crônica" Parábola Pascal" de autoria do amigo e colaborador Ferreirinha, cujo artigo teve repercussão entre integrantes do PSDB local, sendo comentado em programa de rádio de responsabilidade da Prefeitura, conforme tomei conhecimento pelo próprio autor. 
  
Repercutiu,de forma distorcida, crônica intitulada “Parábola Pascal”, de minha autoria e inteira responsabilidade, postada e publicada dia 09 de abril do corrente ano, no blog Aldenis Fernandes – Massapê indo e voltando. Segundo o dicionário Aurélio, o substantivo feminino “parábola” significa, pois, uma narração alegórica, na qual o conjunto de elementos evoca outra realidade de ordem superior. Em nenhum momento tive a intenção de ofender a honra e a integridade moral dos senhores jurados, até porque, sempre tive com todos eles, uma relação mútua de amistosidade, respeito e consideração. E, ao referir –me “...  Vai aí uma sugestão aos cartolas da Federação Cearense de Futebol, para que, nos próximos clássicos futebolísticos, escalem uma arbitragem imparcial (dentro e fora do campo), para não roubarem de forma descarada”, o verbo roubar, ora empregado, não tem conotação pejorativa, notadamente, na acepção terminológica do termo, tampouco, tipificação criminal em conformidade com o nosso Código Penal brasileiro. É sabido que, no meio futebolístico, a expressão “juiz ladrão”, apesar de ser considerada de baixo calão, é, deveras, comum, quer seja pronunciada por um técnico de futebol que se sinta prejudicado, quer seja entoada em refrão pela torcida idem, se tornando, inclusive, uma linguagem de cunho universal. E, ao concluir: “...Aos que se sentirem ofendidos que vistam a carapuça”, se por ventura, quaisquer dos senhores jurados tenham se sentido ofendidos, na minha mais íntima nobreza de caráter, humildemente em peço que me desculpem e convertam o conteúdo da presente nota de esclarecimento, em retratação. Entretanto, quanto ao senhor Bené Fernandes, que nem o conheço e a recíproca é verdadeira, sem ética profissional e sem escrúpulos, cuspiu no microfone ao me pôr nome de “Abestado”, no seu programa veiculado na Coqueiros FM, dia 10 de abril. Devo dizer ao nobre idiota de rasa cultura, ou de cultura de grama (tanto faz), que, felizmente, não precisarei regredir aos instintos mais primitivos da natureza humana, para igualar-me à ele, ao que, reduzir-te-ia à quinquagésima potência elevada ao quadrado da hipotenusa, que o vulgo denomina “nada”.   
Ferreirinha, 11 de abril de 2012. 

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

2 comentários:

  1. AINDA VAI BENE FERNANDES, O FERREIRINHA NÃO BOTA ÁGUA PRA PINTO BEBER.

    ResponderExcluir
  2. Pior meu caro que a pessoa talvez nem entendeu tudo isso que o Ferreirinha escreveu, não tem cultura mesmo.rsrsr
    Um comprado que fica babando o tempo todo.Haja paciência para aguentar tanta babaquice dessa pessoa.
    Pense num puxa-saco!!Vai de novo!!

    ResponderExcluir