Quinta,14 de dezembro 2017: Aqui estão as principais notícias para você começar o dia bem-informado

20 de outubro de 2011

OUVIR É A MAIS CRÍTICA DAS HABILIDADES DE COMUNICAÇÃO

Estou fazendo um curso, via IEDUCARE, muito importante para o meu currículo. Estamos vendo a disciplina intitulada "METODOLOGIA DA COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO". E como se sabe, Garimpar informações exige boas habilidades de comunicação, especialmente a de ouvir com atenção e sem preconceitos.

Assim sendo, por achar muito interessante, publico em nosso blog o texto SABER OUVIR: O SUPORTE PARA O DIÁLOGO, de Elisabeth Salgado, que também servirá de instrumento para aqueles políticos que não sabem dialogar, querem apenas ditar. VAMOS LÊ-LO?

Fala-se tanto em diálogo, em problemas de comunicação, como se dialogar fosse apenas falar o que se pensa para o outro, fosse apenas conseguir expor suas razões ou externalizar opiniões numa fala entre pessoas. 

Dialogar, às vezes, mais parece um duelo de opiniões expostas mutuamemte, num desejo de poder pelo predomínio da razão e da posse da verdade absoluta, individual e única.

Entretanto, para que haja um contato autêntico e produtivo dentro de uma relação, falar o que se pensa e acha não é suficiente.

O silêncio inerente ao ouvir é sábio, nestes momentos.  Só o silêncio me permite sentir o outro e entender um pouco do que ele pensa e percebe.

Se em qualquer relação, ouvir o outro é importante, numa relação onde a missão de educar e repassar valores são componentes fundamentais, o ouvir é condição básica para que um canal se faça e permita a construção de uma ponte eficaz para essa transmissão.

Ouvir não deve ser confundido com passividade, nem visto como um recurso estratégico para poder realizar argumentações de caráter defensivo que só visam uma posse de poder no contato que está sendo desenvolvido.

Ouvir, em função de um diálogo real, é resultado de uma opção consciente por parte de quem deseja compreender o que se passa com o outro, de modo solidário e sem preconceitos, visando uma resolução madura de conflitos ou um entendimento mais autêntico da situação.

Ouvir para dialogar é uma tarefa difícil, pois envolve humildade em reconhecer as próprias falhas, em admitir a racionalidade de fundamentos que não são nossos, em estar aberto a aprender quando queríamos ensinar.

Ouvir nosso aluno é antes de tudo estar aberto à possibilidade de lidar com fatos novos, a aprender que não existe uma única verdade e que estamos envolvidos num processo relacional do qual temos, pelo menos, parcial responsabilidade.

Ouvir, para que haja um diálogo, é antes de tudo  despir a armadura da acusação e procurar compreender o que se esconde por detrás do óbvio.
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário