30 de janeiro de 2009

PADRE, DEPUTADO E ADVERSÁRIO DO CELIBATO É JURADO DE MORTE.

O deputado Luiz Couto (PT-PB) circula pela Câmara sem despertar muita atenção. Aos 65 anos, tem cabelos grisalhos e barba bem aparada. Cumpre o segundo mandato e conhece muitos colegas de plenário. A história de vida, no entanto, torna o petista da Paraíba um parlamentar diferente. Filho de trabalhadores rurais sem-terra, Couto ordenou-se padre em 1976 e aproximou-se dos seguidores da Teologia da Libertação, corrente católica com influência marxista. Entrou para o PT em 1976 e elegeu-se deputado estadual duas vezes antes de chegar à Câmara. Nos últimos dias, o religioso petista entrou para a lista dos ameaçados de morte por grupos de extermínio do Nordeste. Todo sábado e domingo, deixa no guarda-roupa o terno com o broche parlamentar para usar a peça que, segundo ele, melhor lhe cabe: a batina. Celebra missas, batizados e casamentos na paróquia de São José Operário, em João Pessoa. Padre deputado está fora de moda na Câmara. Só há ele e José Linhares (PP-CE) na atual legislatura.
Mas o que torna Luiz Couto figura única no Congresso é seu pensamento em relação a temas vistos como tabu dentro da Igreja Católica, como o celibato, o aborto, os homossexuais e o uso do preservativo. Com exceção, em parte, do aborto, suas posições contrariam os mandamentos do Vaticano. "O comando da Igreja é muito conservador nesse ponto", avalia o padre ao criticar a obrigatoriedade do celibato. "Não tem fundamentação bíblica. Deveria ser optativo", defende. Luiz Couto lembra que a restrição à vida afetiva e sexual dos religiosos só foi imposta no século XVI, após o concílio de Trento. E tinha lá sua justificativa, explica. "É que naquela época havia abusos nesse sentido. Isso hoje não deveria ser tratado como uma questão maior", acredita. O padre busca numa passagem bíblica argumentos para sua tese: "Jesus tinha apóstolos solteiros, mas também apóstolos casados. Tanto que uma passagem conta que ele foi à casa da sogra de Pedro. Doente, ela se levantou e passou a servir".
Camisinha e homossexuais
A decisão do Vaticano de proibir os fiéis de usarem preservativos nas relações sexuais também é sinal de atraso, na avaliação de Couto. "Defendo o uso da camisinha como uma questão de saúde pública", diz. Para ele, o veto só favorece a proliferação de doenças sexualmente transmissíveis e distancia a Igreja das ruas. Contrariando a linha mais conservadora do clérigo, Luiz Couto também sai em defesa dos homossexuais. "Devemos lutar no dia-a-dia contra o preconceito e a intolerância", afirma. O deputado votou a favor do projeto de lei que torna crime a discriminação por causa da orientação sexual. O projeto de lei da Homofobia passou pela Câmara, mas está parado no Senado, onde enfrenta forte resistência de parlamentares religiosos, que veem na proposta uma ameaça à liberdade de culto. "A consciência, a fé e a sexualidade da pessoa têm de ser algo importante em sua orientação de vida", prega.
Esquerda "arrogante"
O processo movido pela Secretaria de Mulheres do partido contra Bassuma e Afonso reflete um sinal de intolerância dentro do partido. "É uma questão de consciência e ética. Não pode ser por imposição. Isso é como ditadura. Não é pela repressão que a gente educa. É preciso passar pelo processo de convencimento", critica o deputado, petista desde 1985. Essa postura "arrogante", segundo ele, é característica da esquerda brasileira. Com atuação política pautada por temas como direitos humanos e reforma agrária, Couto se esquiva do rótulo de esquerdista e critica o maniqueísmo levado às últimas consequências pelos companheiros. "A esquerda brasileira durante muito tempo foi arrogante, arvorando-se dona da verdade. É preciso defender a construção de uma sociedade mais justa, tirando as pessoas da marginalidade e gerando emprego e renda, mas defendendo o respeito às opiniões diferentes", afirma.
Fé e política
O seminário de João Pessoa ainda é apontado como o berço da militância política de Couto. De lá, só saiu em 1965 para estudar filosofia na Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Em 1976, Luiz Couto ordenou-se padre e assumiu a paróquia Sagrado Coração de Jesus, no bairro do Mandacaru. O sacerdote conciliou suas obrigações na igreja com as aulas na Faculdade de Filosofia da UFPB, onde ensinou Metodologia da Ciência, Ética Filosófica, Filosofia do Conhecimento e Lógica até 1994, quando se aposentou. Os teólogos Leonardo Boff e, principalmente, Joseph Comblin, belga radicado na Paraíba, estão entre as fontes em que Luiz Couto busca inspiração. Os dois estão entre os principais representantes da chamada Teologia da Libertação, doutrina de influência marxista que prega a opção pelos pobres. Boff foi excomungado da Igreja Católica pelo Papa João Paulo II, enquanto Comblin chegou a ser expulso do país, nos anos 70, por causa de sua militância em favor da reforma agrária e contra a ditadura. Outras duas referências diretas na vida político-religiosa de Luiz Couto são os bispos José Maria Pires, mais conhecido como Dom Pelé, por ser negro, e Marcelo Pinto Carvalheira. "Os dois foram fundamentais na minha formação", reconhece o petista.
CPI do Extermínio
Como relator da CPI dos Grupos de Extermínio, concluída em 2005, Luiz Couto pediu o indiciamento de mais de 320 pessoas, entre políticos, policiais, juízes e promotores. "Esse pessoal começou matando adolescentes que trabalhavam para o tráfico. Depois, homossexuais e defensores dos direitos humanos", relata o deputado. Além de mapear a ação dos grupos de extermínio, a CPI resultou em um projeto de lei que tipifica o crime de constituir, organizar ou integrar organização paramilitar ou milícia para praticar extermínio de pessoas, com pena de quatro a oito anos de prisão. Se as investigações não foram adiante, não foi por omissão, assevera. "Dizem que a CPI dá em pizza. Mas a pizza está lá. Muitas vezes o Ministério Público não abre inquérito, o secretário não reconhece a existência dos crimes, e a Justiça é morosa. Aqueles que tomaram conhecimento das denúncias avançaram, tirando policiais corruptos." A cada ameaça de morte, Luiz Couto diz trabalhar o pensamento para não sucumbir à força do inimigo. "O medo é a grande arma do ameaçador. Não devemos dar força ao medo", afirma. E o padre não confia apenas na religião para manter a serenidade. Diz estar interessado cada dia mais na psicologia e na psicanálise. "São duas ciências que precisam ser mais bem cuidadas, porque estimulam o indivíduo a investir em suas qualidades, em vez de brigar com seus limites", observa.
Piada de padre
Manter o bom-humor também ajuda, ressalta. "Ele sempre anima a nossa rodinha no plenário antes de as votações começarem", conta o deputado Antônio Carlos Biscaia (PT-RJ). A vocação para contar piadas, Luiz Couto afirma ter herdado do pai e da mãe. O paraibano tem um extenso rosário de piadas, inclusive de freiras e padres, as suas favoritas. "No interior da Paraíba, a mãe mandou o menino procurar o padre para se confessar porque ele tinha dado uma 'bunda-canastra' [espécie de pirueta]. O padre, um alemão, não entendeu o que era aquilo. Vem cá, meu filho: bunda eu sei o que é, canastra, também. Mas que pecado é esse que você cometeu? Mostra para mim. O garoto saiu do confessionário e salteou no ar. O padre então respondeu: ah, meu filho, vá embora, que isso não é pecado. E mandou chamar a velhinha, que, encabulada, assistia a tudo, pra se confessar. 'Vou, não, seu padre, é que vim desprevenida hoje pra penitência'", conta o deputado sacerdote, antes de cair na gargalhada."Dizem que sou um padre piedoso e piadoso", brinca Luiz Couto.
Postagens mais recentes Página inicial